Dois Dribles

Blog

Dois Dribles

Sobre NBA e afins

Contratado ‘por acaso’ pelo Celtics, Morris foi o cara que parou Lebron

(David Butler II-USA TODAY Sports)

Há praticamente 20 partidas que Lebron James não fazia uma pontuação tão discreta em playoffs. Mesmo nos confrontos em que o time perdeu para o Indiana Pacers neste ano ou que foi dominado pelo Golden State Warriors no ano passado, o camisa 23 fez a parte dele. É a ‘versão playoffs’ de Lebron, que garante uma atuação de gala e alguma competitividade em qualquer confronto. Em tese, já que no primeiro jogo entre Boston Celtics e Cleveland Cavaliers na final de conferência deste ano, James anotou apenas 15 pontos, deu 16 arremessos e acertou só 5, desperdiçou 7 bolas e o Cavs teve um saldo de -32 enquanto ele esteve em quadra – uma performance que é uma raridade. Finalmente, alguém parou Lebron James.

O resultado, que rendeu uma vitória de 108 a 83 para o Celtics, foi fruto de um trabalho coletivo de defesa e de ataque, mas, sobretudo, de anulação de Lebron. E o cara primordialmente responsável por isso em quadra – fora dela, obviamente, foi Brad Stevens – foi Marcus Morris.

Morris se autoproclama um dos melhores marcadores de Lebron James na liga – diz que só Kawhi Leonard é mais capaz do que ele na tarefa – e, a considerar por este primeiro embate, a assertiva é verdadeira. Claro que não foi só ele – nem poderia-, mas nas 25 posses em que foi marcado por Marcus Morris, James fez apenas 5 pontos, só distribuiu 2 assistências, fez 2 cestas em 6 arremessos e teve 2 bolas perdidas.

E o ala do Boston conseguiu entregar ainda mais do que isso – um baita feito, já que os marcadores diretos de Lebron costumam ser jogadores que ficam 100% focados na defesa dele: anotou 21 pontos em 7-12 de FG, agarrou 10 rebotes e teve o melhor plus/minus de toda a partida, +25.

Por mais que toda essa eficiência não seja por acaso, que o Boston Celtics seja um time super bem planejado, organizado e bem montado, a chegada de Marcus Morris ao time foi uma aleatoriedade.

+ O Celtics já é capaz de evitar mais uma ida de Lebron James à final?

+ Após 86 jogos de playoffs, Chris Paul finalmente jogará uma final de conferência

Quando assinou com Gordon Hayward em uma das primeiras e mais importantes movimentações da offseason, o front office de Boston precisava abrir espaço na folha salarial para acomodar o contrato recém-firmado com o jogador. Para isso, colocou Avery Bradley, que recebia 8 milhões de dólares por ano, no mercado.

A torcida celta ficou dividida. Apesar de feliz com a chegada de Hayward, um ala que sabia atacar e, principalmente, defender muito bem – inclusive, com um biotipo pensado para um matchup eventual contra Lebron James -, Bradley era um dos xodós do time pela sua dedicação na marcação. Mesmo com a chegada do ala do Utah Jazz, temia-se um desmoronamento no vigor defensivo do time com a saída de Avery.

Ele, aliás, ao lado de Jae Crowder, tinha sido o responsável pelo último ‘colapso’ ofensivo de Lebron nos playoffs, quando o camisa 23 só conseguiu anotar 11 pontos no terceiro jogo contra o Boston na final do Leste do ano passado.

Mas o time tinha que se livrar dele por questões salariais. E assim, sem saber, que o time conseguiu seu próximo ‘Lebron stopper’. Marcus Morris tinha o salário necessário para acertar a matemática financeira do Celtics (5 milhões anuais) e estava em uma equipe que precisava, mais do que nunca, de uma chacoalhada (o Detroit Pistons não tinha se classificados aos playoffs em uma temporada decepcionante). Por acaso, por pura sorte ou azar, o negócio foi fechado.

É difícil que Morris consiga anular Lebron por muito tempo na série. Mas só de conseguir eventualmente atrapalhá-lo, já é um feito imenso – maior do que qualquer rival do Leste conseguiu. Em uma série tão equilibrada, contra um time que depende tanto de James, pode ser o diferencial para que Boston Celtics consiga, finalmente, interromper a sequência de classificações de Lebron na final da NBA. Se conseguir, é mérito, também, de Marcus Morris.

Comentários