Dani Alves diz que Neymar 'precisava sair da sombra de Messi'

'Quando se joga ao lado de alguém tão incrível como Messi, se perguntam se você é realmente bom ou é influência dele', afirmou

Relacionadas

O lateral brasileiro Daniel Alves assegurou que não teve nada a ver com o Paris Saint-Germain na contratação do compatriota e amigo pessoal Neymar. Além disso, o baiano afirmou que foi bom que o companheiro tenha saída do Barcelona, "para sair da sombra" de Lionel Messi. 

Neymar é "junto de Messi, o jogador mais desequilibrante que há no futebol mundial", mas "precisava sair um pouco da sua sombra", disse Alves, em entrevista ao site oficial da Fifa, publicada nesta segunda-feira, 29. 

"Jogar com alguém tão incomparável como Messi é a coisa mais incrível que pode lhe acontecer, mas sempre haverá aquela dúvida se você é realmente bom ou se é por conta dele (Messi)", adicionou. 

 

Cavani é o maior artilheiro da história do PSG; veja outros 12 recordistas

Confira o ranking dos melhores treinadores de futebol do mundo

Siga o Fera no Twitter!

 

 

Alves declarou que "as possibilidades de conquistar prêmios individuais aumentam quando não está tão perto de um jogador" como Messi e, para o amadurecimento de Ney e para a seleção brasileira, era importante que caminhasse sozinho". 

Alves garantiu que não tentou influenciá-lo a assinar com o PSG, onde chegou meses antes que o amigo, mas que o aconselhou a "seguir o coração". 

Juntos, Neymar e Daniel compartilham o desafio de conquistar a Liga dos Campeões, motivo que os levou a acertar com o PSG. "É o que os move, o que os apaixona, o que os enche de adrenalina. O mundo é para os valentes. Os covardes sempre estarão na sombra, e nós não queremos estar na sombra. Viemos do nada no Brasil para sermos alguém na vida", disse. 

 

 

Nesse sentido, assegurou que a Liga dos Campeões "não se ganha só com nomes" porque "se não tem o grupo não vai conseguir" e apontou que sua equipe está "preparada para competir". 

O brasileiro indicou que um dos motivos que o levou a acertar com o PSG foi o de ter a possibilidade de "mudar a história do clube". "Sou uma pessoa que não gosta da comodidade, que desfruta os desafios. Mudar a história do clube é, para mim, uma injeção de adrenalina, e por isso vim. Mas também sabendo que poderia viver em uma grande cidade e uma equipe com grande ambição."

Assegurou que não aceitou pelo dinheiro, porque tinha outras boas ofertas, e recordou que, quando fechou com o Barcelona, o fez com o objetivo de marcar história. 

"Quando cheguei ao Barça, o clube estava em um período de transição e acabei jogando na melhor equipe da história. Minha ideia é reviver todas essas alegrias, mas em um lugar com menos tradição, onde você pode colocar uma grande pedra nessa construção. Quero ganhar aqui e ajudar o clube a mudar seu destino", completou. / EFE

 

 

MAIS SOBRE:

futebol Daniel Alves Neymar Paris Saint-Germain Messi
Comentários