Cyborg coloca condição para luta contra Amanda e promete: ‘vou te matar’

Cyborg revelou que aceita enfrentar a compatriota caso o combate seja promovido em um grande card

A superluta de campeãs Amanda Nunes x Cris Cyborg deu mais um passo para se tornar realidade. Após o desafio de Amanda e a aprovação do presidente do UFC, Dana White, Cyborg sinalizou com a possibilidade do combate, mas com uma condição: a campeã dos penas acetaria enfrentar a campeã da divisão de galos, caso o duelo seja promovido em um grande evento, com outros astros escalados para o show.

De acordo com Cyborg, Amanda teve grande venda de pacotes pay-per-view nos Estados Unidos e Canadá quando enfrentou Ronda Rousey e Miesha Tate, mundialmente conhecidas. Mas decepcionou quando encarou Valentina Shevchenko, no UFC 215, quando ela era a principal atração.

"Posso lutar com a Amanda... Mas ela não vende pay-per-view, no máximo 100 mil (no UFC 215, quando enfrentou Shevchenko). Vencer ela não muda nada em nada minha carreira. Superluta? Ela não é o McGregor. Se for um grande evento, com grandes nomes, pode ser uma grande luta", disparou Cyborg em entrevista ao programa MMA Hour. "Claro que ela quer essa luta. Ela lutou com a Ronda e a Ronda a fez três milhões. Ela lutou com a Miesha, no card do Brock Lesnar, e fez pay-per-view. Mas ela não vende por ela mesma", completou.

Provocação

Cris, que ainda não tinha entrado no jogo de provocação, quebrou o silêncio. A curitibana revelou que respeita Amanda por ela também ser brasileira, mas prometeu 'matar a rival' no octógono. "Vamos lutar com a Amanda? Ok, vamos lutar, mas tem que ser em um grande card. Respeito ela, porque ela é brasileira, mas me desafiou, então fique pronta porque eu vou te matar", encerrou.

Cris Cyborg tem um histórico profissional de 19 vitórias e apenas uma derrota. A curitibana, considerada a maior lutadora de todos os tempos, debutou no UFC em 2016, quando a organização criou a divisão de penas. No octógono ela derrotou Leslie Smith, Lina Lansberg, Tonya Evinger e Holly Holm.

Por sua vez, Amanda Nunes tem um cartel de 15 vitórias e quatro derrotas como profissional. A baiana conquistou o título dos penas ao derrotar Miesha Tate no histórico UFC 200, em julho de 2016. Na sequência, a baiana defendeu o título ao nocautear Ronda Rousey por nocaute em apenas 48 segundos da luta. Ela ainda colocou o título em jogo mais uma vez, no UFC 215, em setembro de 2017, quando bateu Valentina Shevchenko, na decisão dividida dos juízes, em uma disputada luta em cinco rounds.

MAIS SOBRE:

lutas Dana White Amanda Nunes Ronda Rousey Cris Cyborg Holly Holm UFC [Ultimate Fighting Championship]
Comentários