FERA DO PASSADO: Maguila, o brasileiro campeão dos pesos-pesados

Hoje, a luta de Adilson Rodrigues é pela saúde, enquanto ele prepara um filme sobre sua vida

Relacionadas

 maior pugilista brasileiro peso-pesado de todos os tempos trava hoje outro tipo de batalha. Adilson Maguila Rodrigues, de 59 anos, luta contra um tumor no pulmão e um lento processo de demência. A demência pugilística é característica em lutadores, por causa dos golpes ao longo da carreira, principalmente na cabeça, causando a perda dos neurônios.

Quase sem falar, na luta contra a encefalopatia traumática crônica, nome técnico da doença, e depois de ter passado cerca de dois anos internado, entre 2014 e o ano passado, o gigante Maguila tem como um de seus maiores projetos, atualmente, mostrar às novas gerações sua carreira de dificuldades, superações e vitórias. 

 

+ Maguila batalha para conseguir dinheiro para produzir o próprio filme

+ Após dois anos internado, Maguila sai da lona

 

O ex-boxeador virou sócio do cineasta Josmar Bueno Junior na produção do filme Peso Pesado, projeto já aprovado pela Ancine (Agência Nacional do Cinema) para a captação de R$ 9 milhões. As negociações estão em curso com distribuidoras, serviços de VOD (tecnologia multimídia que permite que os espectadores selecionem vídeos 'on demand'), além de canais abertos e fechados de televisão. A parceria que for firmada vai definir o formato final do filme, que poderá ser exibido nos cinemas convencionais ou em plataformas de streaming, como a Netflix.

Quando o filme chegar às telas, não faltarão nele os altos e baixos da trajetória, o encontro com o sucesso e o enorme carisma e generosidade de Adilson Rodrigues, 1,85 metro, natural de Aracaju (SE), que ganhou esse apelido por sua semelhança com o personagem do desenho animado Maguila, o Gorila.

Começou a formar seu cartel vitorioso já em sua primeira luta como profissional foi disputada em 4 de fevereiro de 1983. Maguila derrotou o adversário José Tavares por nocaute no terceiro assalto. Cinco meses depois, em 2 de julho, ele conquistou o título brasileiro, ao derrubar Valdemar Paulino no primeiro round.

No início da carreira, Maguila faria uma parceria com aquele que ajudaria, e muito, sua trajetória deslanchar: o jornalista e narrador de TV Luciano do Valle, que colocou sua empresa, a Luqui, na promoção das lutas do brasileiro.

Com Valle como empresário, Maguila pôde enfrentar - e vencer - lutadores como o norte-americano James 'Quebra-Ossos' Smith e o argentino Daniel Falconi, que se transformaria em seu maior adversário na América do Sul:

Maguila conquistou os títulos de campeão brasileiro, sul-americano, latino-americano e mundial, embora este último tenha sido o de uma organização menor no mundo do boxe, a Federação Mundial de Boxe, a WBF, uma das muitas entidades que representavam o esporte, à época.

Relembre o combate que consagrou o brasileiro como campeão sul-americano, contra o argentino Jorge Alfredo Dascola, em 1992:

LUTAS HISTÓRICAS

Com as vitórias, entre fins da década de 1980 e início da década de 1990, Maguila  se credenciou para enfrentar os maiores campeões do boxe à época, as lendas George Foreman e Evander Holyfield, entre outros grandes nomes. Perdeu os dois combates, mas escreveu seu nome na história do boxe.

Ambas as lutas, realizadas nos Estados Unidos, atraíram grande atenção do público brasileiro.

Reveja:

Perdeu os dois combates, mas escreveu seu nome na história do boxe, embora nunca tenha feito fortunas com as lutas, a exemplo dos boxeadores atuais.

Segundo reportagem publicada pela Veja, "uma de suas maiores bolsas, a da luta contra Holyfield, estimada em US$ 150 mil (R$ 476,8 mil), mal fez diferença em sua conta. “Fiquei só com US$ 5 mil (R$ 15,8 mil)”, revelou à época o lutador, que se disse enganado por empresários e advogados naquela ocasião.

Apesar das dificuldades, nunca perdeu a vontade de lutar. Foi campeão latino-americano, pentacampeão continental e campeão das Américas.

A consagração maior - e o cinturão mundial - viriam em 1995. Aos 37 anos, com a vitória por pontos sobre o inglês Johnny Nelson, em Osasco, na Grande São Paulo, Maguila se tornaria o primeiro brasileiro campeão mundial da categoria dos pesos-pesados, embora este título tenha sido o de uma organização menor no mundo do boxe, a Federação Mundial de Boxe, a WBF, uma das muitas entidades que representavam o esporte, à época.

Após as lutas contas as lendas dos ringues, Maguila se tornou imbatível em âmbito regional, em meados da década de 1990. Defendeu por diversas vezes seus cinturões, contra pugilistas de várias nacionalidades.

Deixou os ringues em 2000, com um currículo expressivo: em 86 combates, conseguiu 81 vitórias, sendo 68 por nocaute. Perdeu cinco lutas, quatro por nocaute.

O carisma e a proximidade com o público, aliados com o jeitão simples, transformaram Maguila numa figura bastante popular. Virou garoto propaganda, participou de programas na TV (era até mesmo "comentarista econômico" no Aqui Agora, do SBT) e se aventurou como cantor, tendo lançado um CD de samba, em 2009. No ano seguinte, Maguila tentou se eleger deputado federal, mas recebeu menos de 3 mil votos, ficando bem longe de se eleger.

Segundo publicou o Estado, Peso Pesado é apenas um round do projeto atual de Maguila, que deve gerar ainda uma minissérie para a televisão. Além disso, pequenos documentários (webdocs) com passagens da vida do lutador que deixou os ringues em 2000 serão exibidos na internet.

Josmar, o cineasta que é parceiro de Maguila na empreitada, tem registros de bastidores, com uma visão pessoal sobre o atleta, pois acompanhou todos os momentos da vida do lutador nos últimos sete anos.

No ano passado, o Estado encontrou o diretor registrando uma homenagem que Maguila recebeu do projeto social "Amanhã Melhor", coordenado por sua mulher Irani Pinheiro. Foi a reaparição do boxeador após a internação.

Assim que conseguir a grana, a equipe calcula mais um ano e meio para colocar o filme nas telas.

MAIS SOBRE:

Fera do Passado Maguila Valdemar Paulino George Foreman Evander Holyfield Boxe
Comentários