Tifanny: 'Se existe mulheres boas e homens bons, vai existir transexual boa'

Oposta do Vôlei Bauru não concorda com os argumentos de que não deveria atuar na Superliga

A oposta Tifanny, do Vôlei Bauru, não concorda com os argumentos de que não deveria atuar na Superliga feminina. Na última sexta-feira, contra o Vôlei Nestlé, ela marcou 31 pontos, a mesma marca de Tandara, que atua pelo time de Osasco. Na ocasião, sua equipe saiu derrotada por 3 a 2.

+ Federação de Vôlei marca reunião para discutir trans no esporte

+ Jogador de vôlei consegue rara defesa de bicicleta na Itália; assista

+ Grandes nomes do esporte pedem apoio para time gay de vôlei disputar Mundial

"Se no vôlei existem mulheres boas e homens bons, vai existir transexual boa. Estou aqui apenas por causa do meu talento", avisou Tifanny, lembrando que outras atletas também costumam marcar muitos pontos. "Se colocar a Tandara no nosso time, ou a Bruna Honório (Pinheiros), elas serão muito bem acionadas. Nossa equipe joga assim", disse.

Ela garante que desde que passou a controlar os níveis de testosterona no corpo, sua força diminuiu bastante e ele não consegue atacar como fazia antes de fazer a cirurgia para mudança de sexo.

"Como eu vou atacar mais forte que isso? Se eu atacar mais forte do que estou, tenho de voltar para o masculino. Não consigo não, não dou conta. Este é o meu máximo, é o que o hormônio me deixa fazer: virar mulher e ter a força feminina", explicou.

MAIS SOBRE:

vôlei vôlei
Comentários