Tiffany, primeira jogadora transexual da Superliga, estreia pelo Bauru

Brasileira, que jogava na Itália, chegou a defender equipes masculinas antes da mudança de sexo

Ela foi anunciada como reforço do Vôlei Bauru na semana passada e fez história neste domingo, ao estrear como a primeira transsexual da história na Superliga feminina de vôlei.

Tiffany Abreu entrou em quadra na partida contra o São Cristóvão Saúde/São Caetano e foi um dos destaques da partida, apesar da derrota de sua equipe por 3 sets a 2.

Tiffany é a primeira atleta transsexual brasilera a ter a autorização da Federação Internacional de Vôlei (FIVB) para atuar ente as mulheres. Nascida Rodrigo, em Goiânia, ela pode disputar competições femininas, depois de defender equipes masculinas na Bélgica, Holanda, França e Espanha. A atleta atuou na Série A2 na Itália na última temporada, defendendo as cores do Golem Software Palmi.

Ao voltar ao Brasil para passar férias, Tiffany acabou acertando com o time do interior paulista, depois de treinar por um tempo nas instalações da equipe, em recuperação a uma cirurgia.

O técnico da seleção brasileira de vôlei feminino, José Roberto Guimarães, não descarta a possibilidade de poder contar com a atleta futuramente. "A questão é bem simples. Se a Tiffany render dentro de quadra o esperado e fizer a diferença tecnicamente falando, passa a interessar como qualquer outra atleta. Quero o melhor para a seleção. Se for o caso irei consultar a CBV e como a Tiffany está liberada juridicamente para jogar a Superliga não vejo problema algum em ser convocada. Basta que ela esteja elegível", disse ele ao blog de vôlei de Bruno Voloch.

MAIS SOBRE:

vôlei Vôlei FIVB [Federação Internacional de Voleibol] Federação Internacional de Vôlei José Roberto Guimarães CBV [Confederação Brasileira de Voleibol]
Comentários