P1 nas pistas

Blog

P1 nas pistas

Automobilismo para entusiastas

Mercedes e Ferrari mostram suas armas enquanto McLaren posa de Marilyn

No início dos anos 2000, apresentação de carro de Fórmula 1 era um negócio formidável. Jornalistas de todas as partes do mundo eram convidados, com despesas pagas e voo de classe executiva, para acompanhar os lançamentos. Tinha de tudo: show das Spice Girls, mostra em locais icônicos, como a Praça Vermelha, em Moscou, enfim, os times apelavam para todos os artifícios de pirofagia. Parecia até uma competição entre quem era o mais excêntrico.

Hoje em dia, os lançamento estão bem sem graça. Quem investiu um pouco mais para mostrar seus carros, convidando jornalistas, foram a Williams, a Ferrari e a Mercedes. Mas mesmo assim, nada suntuoso. Foi neste cenário bem sem graça que campeã e vice de 2017 mostraram, hoje, suas armas.

Primeiro, foi a Mercedes, em Silverstone. O time aproveitou para fazer imagens das primeiras voltas do W09 EQ Power+ pela pista com Valtteri Bottas, e em seguida realizar uma apresentação para os jornalistas.

A equipe diz que o modelo, obviamente, é uma evolução do carro campeão de pilotos com Lewis Hamilton e de Construtores – este, nos últimos quatro anos. É a franca favorita, que venceu todos os títulos da era híbrida da Fórmula 1. Sobre o inevitável halo, o chefe Toto Wolf foi curto e grosso: “Se pudesse, cortaria com uma motosserra”.

Nós também, Toto. Nós também.

A Ferrari lançou o SF71H logo depois, em Maranello.

Com alguma pompa e circunstância – os pilotos tradicionalmente vestindo terno e gravata, com um belo símbolo do Cavallino Rampante bordado no paletó, os italianos mostraram o novo carro, com muito mais vermelho na pintura do que os anteriores, que traziam uma boa dose de branco, e falam em um modelo completamente novo em relação a 2017 para desafiar a Mercedes por dois títulos que não vão para Maranello desde 2007.

A McLaren vai apresentar seu carro amanhã na Espanha. Entretanto, nesta quinta-feira, quando desembarcava todo seu material em um aeroporto da Espanha, a equipe foi traída pelo vento, bem à la Marilyn Monroe.

Sim, a equipe inglesa foi traída pelo vento quando o MC33-Renault era descarregado. Uma parte da capa que cobria o bólido foi levantada, expondo a lateral do carro. Não revelou muita coisa, mas trouxe a certeza de algo que o time já vinha indicando há algum tempo: o carro é todo laranja.

Comentários