Advogado diz que Maradona foi proibido de entrar nos EUA por ter criticado Trump

Ex-jogador não poderá acompanhar julgamento do processo que move contra ex-esposa

Relacionadas

Maradona pode acabar se prejudicando devido a uma das coisas polêmicas que disse. O ex-camisa dez da Argentina pretendia viajar aos Estados Unidos para comparecer ao julgamento processo que move contra a ex-mulher, Claudia Villafane, em Miami, mas teve seu pedido de vista negado. O advogado Matiás Morla, que representa o ex-jogador, atribui o fato a uma ofensa feita por Maradona a Donald Trump.

Em uma entrevista ao canal de televisão venezuelano Telesur, Maradona disse que Trump é uma "chirolita", um personagem de um programa argentino, que era um boneco controlado por um ventríloquo, apesar dos avisos do representante. "Disse a Diego que não falasse nada sobre os Estados Unidos, porque como a entrevista era para a Venezuela, eu já imaginava que poderia acontecer algo. E logo a segunda pergunta foi sobre sua opinião sobre Trump: ‘Acho que ele é uma Chirolita'. Imagino que depois disso o meu pedido de visto foi parar no segundo subsolo da embaixada", disse o advogado ao canal argentino TV América.

+ Conmebol revela estátuas de Pelé e Maradona e internet não perdoa

+ Maradona presta apoio a Maduro e vai cobrir a Copa para a TV da Venezuela

+ Maradona: 'Doeu na alma entregar o prêmio a Ronaldo e não a Messi'

Maradona acusa a ex-esposa de tê-lo roubado em 14 milhões de reais enquanto eram casados, enquanto Giannina, filha do casal, foi acusada de tentar acobertá-la. O ídolo argentino provavelmente não poderá acompanhar a sentença no local, agora. Atualmente, Maradona trabalha como técnico do Al-Fujairah, nos Emirados Árabes Unidos.

Não é surpreendente que Maradona critique Trump. O ex-jogador tem simpatia por ideologias e políticos de esquerda, tendo uma tatuagem de Che Guevara no braço e recentemente mandado uma mensagem de apoio a Lula durante o julgamento do ex-presidente brasileiro.

Na última vez em que esteve nos Estados Unidos, Maradona passou por uma polêmica muito maior. Durante a disputa da Copa de 1994, o camisa dez argentino foi pego no antidoping pelo uso de cocaína após o segundo jogo da fase de grupos, contra a Nigéria. Acabou suspenso do torneio e tendo o visto cancelado. De casa, viu a Argentina cair nas oitavas de final para a Romênia por 3 a 2.

MAIS SOBRE:

futebolMaradonaDonald Trump
Comentários