Árbitro paralisa jogo na França por cantos homofóbicos da torcida

Atitude do árbitro Ahmed Mokhtary foi elogiada até pelo presidente do Nancy, time cuja torcida cantava as músicas

O árbitro francês Mehdi Mokhtari decidiu paralisar o jogo entre Nancy e Le Mans, pela segunda divisão francesa, após ouvir cânticos homofóbicos sendo entoados pela torcida da casa no estádio Marcel Picot. O fato inédito aconteceu na última sexta-feira, 16/07.

A paralisação aconteceu aos 27 minutos do primeiro tempo e durou cerca de um minuto. Nesse período, os jogadores do Nancy foram até a torcida pedir que parassem e o locutor do estádio avisou que, se não interrompessem os cânticos, a partida poderia ser suspensa. Depois, foi retomada e terminou com vitória do Nancy sobre o Le Mans por 2 a 1.

A atitude de Mokhtari foi muito elogiada no país, inclusive pelo presidente do Nancy, Jean-Michel Roussier, e pelas ministras do esporte e da igualdade de gênero do país. Roxana Maracineanu e Marlène Schiappa, respectivamente.

Mokhtary não deu entrevistas sobre o ocorrido, já que está proibido porque a situação ainda está em investigação pela liga de futebol do país, mas o diretor técnico regional de arbitragem da região de Altos da França, Stéphane Lannoy, que o conhece, não se surpreendeu com a atitude. “Ele é guiado por valores de tolerância e respeito ao próximo. As lutas contra a homofobia e o racismo são importantes para ele”, afirmou ao jornal L'Équipe.

O regulamento dos torneios profissionais de futebol na França permitem que um juiz pare um jogo se ouvir músicas e ofensas homofóbicas da torcida, mas ainda não havia precedente para este tipo de atitude como a que Mokhtary tomou. No Brasil, o STJD proibiu reforçar o rigor na luta contra a homofobia nos estádios antes da Copa América, primeiro com campanhas de conscientização e depois com punições aos clubes como multas, perdas de pontos e exclusão de torneios mata-mata.

MAIS SOBRE:

futebolCampeonato Francês de Futebolhomofobia
Comentários