Ativista iraniana diz que foi impedida de protestar em estádio da Copa do Mundo

Maryam Qashqaei segurava faixa contra proibição de iranianas em estádios

Relacionadas

Uma ativista iraniana pelos direitos das mulheres disse que teve uma faixa arrancada na Copa do Mundo na Rússia nesta quarta-feira e que foi impedida de entrar em um estádio durante duas horas após um protesto mais cedo ganhar manchetes internacionais.

+ Chega de 'Sou brasileiro': nova música da torcida é sucesso na Rússia

+ Neymar publica vídeo exibindo festa da torcida em São Petersburgo

+ Mãe de Messi revela choro do craque após críticas na Copa: 'machucam'

Maryam Qashqaei Shojaei disse que ficou retida por duas horas por autoridades de segurança no principal estádio em Kazan antes de uma partida entre Irã e Espanha, tendo planejado erguer uma faixa para protestar contra o Irã ter proibido mulheres de ir a jogos.

"Quando eu estava tentando entrar com a minha faixa, a segurança me disse que eu não poderia levá-la para dentro", disse ela à Reuters . "Eu mostrei a eles minha aprovação. Eles me revistaram e me detiveram durante duas horas e pegaram a faixa".

Anton Lisin, porta-voz do Comitê Organizador Local (LOC, na sigla em inglês) da Copa do Mundo da Rússia, disse que tinha conhecimento sobre o incidente envolvendo Shojaei, mas não tinha mais detalhes.

Uma porta-voz da Fifa disse que o órgão está investigando o tema, assim como o LOC e autoridades de segurança pública russas. "Nós podemos confirmar que faixas apoiando a presença feminina nos estádios no Irã foram aprovadas pela Fifa e pelo LOC por meio de procedimentos formais antes a Copa do Mundo Fifa 2018 e já foram exibidas na partida entre Marrocos e Irã em São Petersburgo", disse a porta-voz em comentários."As faixas são consideradas pela Fifa como uma expressão de apelo social, em vez de um slogan político, e portanto, não foram proibidas sob as regulações relevantes"./ Reuters

MAIS SOBRE:

FutebolCopa do Mundo Rússia 2018 [futebol]
Comentários