Corintiano tatua anos de todos os títulos que viu do time do coração

Marcelo Garber, de 49 anos, é fanático pelo clube e foi a todos os jogos na Arena

Relacionadas

O amor a um clube de futebol é algo difícil de ser explicado. No caso de Marcelo Garber, então, tudo é ainda maior. Corintiano fanático, ele compareceu a todos os 106 jogos já realizados pelo clube na Arena, em Itaquera. Isso, porém, é pouco: o cara tem tatuado pelo corpo todos os anos em que viu o time do coração ser campeão.

Tudo começou em 1995, quando resolveu fazer a primeira tatuagem do Timão, com um escudo do clube no peito. Porém, segundo ele, era preciso inovar um pouco para mostrar que está sempre ao lado do time. "Na época que fiz essa primeira tatuagem foi uma novidade, poucos torcedores tinham. Mas, como foi se tornando algo mais comum, pensei em fazer algo diferente e que registrasse minha relação com o Corinthians", revela. 

Marcelo, então, procurou Tino, o tatuador que desenhou o escudo em seu peito, e pediu a ele que tatuasse, em suas costas, os anos de todos os títulos conquistados pelo Corinthians com a presença dele nas arquibancadas. "De lá para cá, acho que só não tem o título de 1988, conquistado em Campinas, que não pude estar presente. Alguns perguntam do título da série B, em 2008, mas quem comemora título da segunda divisão é torcedor do time rival", brinca. 

Sempre presente nos jogos do Timão, Marcelo, atualmente com 49 anos, contabiliza 1.324 jogos ao lado do Corinthians desde 1985, ano em que começou a anotar, na ponta do lápis, essa paixão. "Eu frequento os estádios desde a década de 70, quando era criança, mas meu pai só deixou eu ir sozinho a partir de 1981. Sempre fui muito ligado em coleções, números e, a partir de 1985, comecei a anotar as estatísticas das partidas nas quais estive presente", revela Marcelo, que ainda revela quais os momentos mais marcantes acompanhando o Corinthians. "Os títulos mais especiais que acompanhei no estádio foram o Brasileirão de 1990, o primeiro Mundial no Maracanã, em 2000 e o Bi-Mundial, no Japão em 2012. Mesmo lá no frio de Yokohama, com o calor da partida, resolvi assistir ao jogo sem camisa, então os caras puderam conferir os títulos do Timão nas minhas costas", orgulha-se.

MAIS SOBRE:

FutebolCorinthiansFutebolCampeonato Brasileiro
Comentários