Crianças refugiadas entram em campo após parceria do Santos com a ONU

Clube pretende promover a inclusão social e apoiar projetos da ACNUR

Relacionadas

A primeira ação do Santos após anunciar parceria com a ACNUR, a Agência da ONU para Refugiados, aconteceu nesta quinta-feira. O clube da Baixada Santista entrou em campo para enfrentar o Red Bull Bragantino, pelo Campeonato Paulista, com 11 crianças refugiadas de nacionalidades diversas ao lado dos jogadores.

A ideia do Santos é apoiar iniciativas da ACNUR, dar acesso as crianças refugiadas nas 60 escolinhas de futebol oficiais do clube, promover campanhas e a inclusão social. O clube também pretende levar as crianças ao estádio ao lado dos seus pais durante os jogos da equipe na temporada 2020.

"Como marca reconhecida mundialmente, o Santos Futebol Clube tem responsabilidade social com questões que envolvam não somente o Brasil, mas também o exterior. É preciso olhar com serenidade e sensibilidade para as histórias de vida de pessoas refugiadas. Queremos aproveitar nossa condição de O Maior Brasileiro do Mundo para, em parceria com o ACNUR, abrir as portas de nosso país para estas pessoas, para que se sintam acolhidas e respeitadas", afirmou o presidente José Carlos Peres.

No jogo contra o Red Bull Bragantino o time santista também fez uma homenagem aos 474 anos da cidade de Santos com logos nos uniformes oficiais e um show do cantor Supla durante o intervalo da partida, que terminou no empate sem gols.

MAIS SOBRE:

futebolSantos Futebol Clube
Comentários