Dono do Milan tem falência de empresa decretada por tribunal da China, diz jornal

Acusações envolvendo Li foram feitas antes de fechar a aquisição de 99.93% das quotas do Milan

Relacionadas

Um Tribunal da China decretou falência da empresa Shenzhen Jie Ande, de propriedade do chinês dono do Milan, Yonghong Li, segundo informações publicadas nesta quarta-feira pelo jornal italiano Corriere della Sera. O Tribunal de Shenzhen decretou a quebra da empresa de Yonghon Li depois que o Banco de Cantão processou o dono do Milan por não ter devolvido o dinheiro de um empréstimo, assegura o jornal italiano.

São Paulo garante classificação e goleiro do São Caetano vira piada nas redes

Nike divulga fotos da camisa da seleção para a Copa do Mundo de 2018

Felipe Andreoli deixa vazar reforço da Globo para a Copa do Mundo

As acusações do banco de Cantão se somaram, além disso, às do banco de Jiangsu, que em fevereiro de 2017 tinha outorgado outro significativo empréstimo a Li, de cerca de 60 milhões de euros, sem que este tenha devolvido a quantidade.

Tais acusações envolvendo Li foram feitas antes de fechar, em abril de 2017, a aquisição de 99.93% das quotas do Milan, então de propriedade do empresário e ex-premiê italiano Silvio Berlusconi. Em novembro do mesmo ano, foi o próprio Berlusconi que defendeu publicamente a credibilidade de Li, ao assegurar que o novo dono do Milan e seus colaboradores "sempre respeitaram os acordos feitos".

A investigação do "Corriere della Sera" sublinha que a quebra da Jie Ande não terá repercussão direta no Milan, ainda que o clube necessitará nos próximos meses apresentar garantias econômicas à UEFA e fechar seu balanço comercial.

Neste sentido, o Milan poderia pedir um empréstimo de cerca de 40 milhões de euros ao fundo americano Elliott, que já outorgou 300 milhões de euros ao clube no ano passado, para que a UEFA lhe dê autorização para sua inscrição nas próximas competições europeias. Ainda, a informação do jornal italiano se soma a uma longa série de especulações sobre a real identidade do novo presidente do Milan.

MAIS SOBRE:

FutebolMilanConcordata E Falência
Comentários