Enquete: Se a torcida não parar com grito homofóbico, o jogo deve parar?

Participe da enquete do FERA e deixe a sua opinião

Relacionadas

O assunto "homofobia no futebol" voltou à tona após o árbitro Anderson Daronco paralisar a partida entre Vasco e São Paulo por insultos homofóbicos por parte da torcida carioca neste domingo, em São Januário. No segundo tempo da partida, parte do público presente no estádio entoou o canto "time de v...".

Agora, o FERA quer saber a sua opinião. Se as torcidas não pararem com os gritos homofóbicos, o jogo deve parar? Vote na enquete abaixo:

 

Vale lembrar que a atitude dos vascaínos pode render punições ao clube, como a perda dos pontos conquistados dentro de campo. A primeira pena é em dinheiro, que varia de R$ 100 a R$ 100 mil. Em caso de reincidência, a pena pode ser perda de pontos.

Na súmula do jogo, publicada no site da CBF, consta que Daronco paralisou a partida para interromper o canto homofóbico. "Aos 19 minutos do segundo tempo, a partida foi paralisada para informar ao delegado do jogo e aos capitães de ambas as equipes a necessidade de não acontecer novamente e para informar no sistema de som do estádio o pedido para que os torcedores não gritassem mais palavras homofóbicas", diz o texto.

Em campo, o Vasco saiu com a vitória. Jogando em São Januário, a equipe carioca derrotou o time comandado por Cuca por 2 a 0, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro

MAIS SOBRE:

futebolVascoSão Paulo Futebol Clubehomofobia
Comentários