Ex-Palmeiras defende agressão à professora e seguidores não perdoam

'Sua opinião é ruim, mas vou fazer que nem você e deixar passar", respondeu um usuário do Twitter

Relacionadas

O goleiro Deola, que hoje defende o Taboão da Serra, comentou a notícia de uma professora que foi agredida por um aluno de 15 anos em Santa Catarina e aproveitou para defender o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ). Mas o comentário do ex-palmeirense não foi bem recebido pelos seus seguidores.

"Sou contra a agressão, porém essa mulher 3 dias atrás aplaudiu a menina que tacou ovo no Jair Bolsonaro. Não foi agredida injustamente", disse o goleiro no Twitter, respondendo a uma mensagem publicada pelo repórter Nivaldo de Cillo, da TV Bandeirantes. 

Em resposta, um usuário da rede social ironizou o jogador. “Sua opinião é ruim, mas vou fazer que nem você e deixar passar”. Devido à repercussão, o goleiro apagou o seu tweet. No entanto, a resposta do palmeirense permaneceu na rede social. 

 

 

 

 

 

 

A professora Marcia Friggi usou o Facebook para denunciar ter sido agredida com socos por um aluno na escola onde leciona no município de Indaial, em Santa Catarina. Conforme o relato, a educadora pediu que o adolescente colocasse o livro utilizado na aula sobre a mesa. Com a negativa do rapaz e uma agressão verbal como resposta, Marcia pediu que ele se retirasse da sala. A agressão física teria ocorrido minutos depois, quando os dois foram até a sala da direção.

Deola foi revelado pelo Palmeiras, mas jogou pouco no profissional do clube. Desde que saiu do Verdão em 2016, defendeu vários times, principalmente, equipes do interior paulista e atualmente está no Taboão da Serra, time da segunda divisão do estadual.

 

 

MAIS SOBRE:

futebolDeolaPalmeirasJair BolsonaroOvo
Comentários