Galvão afirma que, sem replay, teria marcado pênalti de Ralf em Dudu

Arnaldo Cezar Coelho criticou a escala de um árbitro não tão badalado para apitar no clássico

Relacionadas

Na tarde da última segunda-feira (9) o narrador Galvão Bueno fez o que grande parte dos apaixonados por futebol também fizeram após o título do Corinthians no Campeonato Paulista: comentou a polêmica arbitragem na final do campeonato, contra o Palmeiras, no Allianz Parque.  Antes de dizer que, sem replay, ele também teria marcado o pênalti, Galvão ponderou sobre a dificuldade do lance envolvendo o palmeirense Dudu e o corintiano Ralf. “É um lance cruel para um juiz”, explicou.

No século, Corinthians tem mais títulos que Palmeiras e São Paulo juntos

Deixa Ela Trabalhar: repórteres são vítimas de ofensas em final do Paulista

Palmeiras boicotará festa da FPF, mas será protagonista nas premiações

A confusão maior se deu pelo fato do árbitro Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza ter apontado penalidade e voltado atrás depois de cerca de oito minutos, alegando ter atendido à avaliação do quarto árbitro, Adriano de Assis Miranda, supostamente melhor colocado e que alegou ter sido escanteio. A demora na decisão levantou suspeitas quanto a uma interferência externa, que o juiz negou ter acontecido.

“Me pareceu claro o seguinte: nessa primeira imagem (sem replay), se eu fosse o juiz, também tinha dado pênalti. Acho que todo mundo. É que depois vêm as imagens subsequentes e a visão diferenciada do (quarto) árbitro", avaliou. 

O erro, para o narrador, foi o tempo que o jogo ficou parado. “No final das contas, o juiz errou pela extensão, pela trapalhada que ficou ali em campo. Acabou motivando protesto do Palmeiras, ausência na festa, tentou desmerecer o campeonato, algumas atitudes de torcedores de quebrar vidro, não sei o quê, isso não é legal não", completou Galvão durante o programa Bem, Amigos, do SporTV.

Arnaldo Cezar Coelho, principal analista de arbitragem da Globo, aproveitou sua presença para criticar a escala de um árbitro não tão badalado para arbitrar um clássico difícil como entre Palmeiras e Corinthians. "É um jogo que não é o árbitro que apita. Quem apita é o nome do árbitro. Num jogo desse, já que não tem um árbitro com nome para colocar, traz um árbitro de fora. A Federação Paulista já trouxe árbitro de fora em outras decisões, então podia trazer", sugeriu.

 

MAIS SOBRE:

FutebolGalvão BuenoDuduCorinthiansCampeonato PaulistaPalmeiras
Comentários