Jornais europeus repercutem 'guerra fria' entre Neymar e Cavani no PSG

Principais publicações da França e da Espanha expõem atrito entre atacantes durante vitória por 2 a 0 sobre o Lyon

Relacionadas

A vitória por 2 a 0 do Paris Saint-Germain sobre o Lyon, neste domingo, 17, foi ofuscada pelos dois desentendimentos entre Neymar e Cavani, nas cobranças de uma falta e um pênalti. Nesta segunda-feira, 18, os principais jornais esportivos espanhois, franceses e brasileiros repercurtiram a polêmica. 

 

FRANÇA

Le Parisien colocou que a "vitória não conseguiu esconder a tensão entre os dois atacantes, que disputavam a bola antes de cada pênalti e falta próxima à área. Esse é um problema que destaca a já declarada guerra de egos entre as duas estrelas do time". 

A publicação ainda afirmou que Neymar desconcentrou Cavani e que a ida à marca do pênalti "não deixou o uruguaio nas melhores condições para bater". 

 

 

L'Équipe publicou que os dois atacantes nem sequer passaram a bola um para o outro, evidenciando o descontentamento entre ambos. "Neymar e Mbappé se procuram sistematicamente em campo, em detrimento do outro parceiro. E é claro que Cavani não tem a mesma técnica deles, mas seu faro de gol afiado continua oferecendo boas soluções à equipe."

Além de lançar uma enquete perguntando se "a gestão de egos pode arruinar a temporada do PSG", a revista France Football publicou uma matéria em que mostra com estatísticas o isolamento de Cavani. 

 

ESPANHA

O catalão Mundo Deportivo escreveu que apareceram "as primeiras rusgas no vestiário do PSG". Para o jornal, Daniel Alves "escondeu descaradamente" a bola de Cavani no momento da falta. Já no pênalti, o uruguaio foi mais ligeiro e conseguiu garantir a cobrança. 

 

 

Colocando Daniel Alves como espécie de cúmplice de Neymar, o Sport analisou que somente Cavani tem a perder nesta "guerra fria". "O gesto (de Daniel Alves) deixou claro que o ex-azul-grená está do lado de seu bom amigo nessa guerra interna que surgiu como um golpe nos bastidores do time parisiense." 

E completou: "Cavani é quem tem tudo a perder. Não apenas porque Neymar é a contratação mais cara da história do futebol, mas também porque a 'colônia brasileira' é muito numerosa no vestiário do PSG". 

 

BRASIL

Em seu blog no site do jornal Lance!, o repórter do Esporte Interativo Marcelo Bechler analisou que a interferência de Daniel Alves na cobrança da falta mostra que há mais jogadores envolvidos na disputa. 

 

 

"O gesto do lateral mostra que a divisão envolve mais jogadores. Há quem esteja do lado de Neymar para que ele se encarregue da bola parada. Existem jogadores dispostos a tomar as dores do camisa 10 e fazer com que ele conquiste a hierarquia de escolher qual jogada será dele e qual será dos outros", escreveu.

No GloboEsporte.com, Ivan Raupp publicou que "a questão não são os resultados, que estão aparecendo, e sim a nítida falta de parceria entre os dois. As tabelas até saem, mas a disputa para cobrar pênaltis e faltas gerou uma briga de egos, que não está sendo devidamente controlada pelo técnico Unai Emery".  

 

 

MAIS SOBRE:

futeboledinson cavaniNeymarParis Saint-GermainDaniel Alves
Comentários