Lenda do futebol, Carli Lloyd pensa em ir para a NFL após acertar chute de 55 jardas

Atacante norte-americana participou de treinamento do Philadelphia Eagles

Relacionadas

Bicampeã da Copa do Mundo, duas medalhas de ouro na Olimpíada e duas vezes eleita a melhor jogadora do mundo pela Fifa, não tem muito mais que Carli Lloyd poderia querer no futebol. Ao menos, não no futebol com bolas redondas, mas com bolas ovais...

A jogadora de 37 anos participou de um treinamento do Philadelphia Eagles, time da NFL pelo qual torce, e fez alguns chutes na posição de 'kicker'. E não foi mal. Lloyd começou a chutar da linha de 25 jardas, acertando e mandando outras para fora. Nas 55 jardas, acertou um belo chute e postou o vídeo do momento nas redes sociais. Ela tentou com 57 jardas de distância também, e, embora não tenha força, acabou mandando para fora do alvo.

“Eu poderia chutar field goals o dia inteiro. Eu amo. Há muita semelhança com chutar uma bola de futebol. Eu amo chutar bolas longas de futebol. A técnica é a mesma e acho que sou muito precisa. Acho que tudo é possível. Tem sido realmente muito interessante porque, para mim, sou apenas um atleta, uma competidora, mas, para muitas outras pessoas, acho que estão começando a pensar se haverá uma jogadora mulher na NFL em algum momento”, disse a jogadora à revista Sports Illustrated

Ela falou a sério sobre a vontade de ser se tornar a primeira mulher na liga de futebol americano. “Acho que estamos em uma encruzilhada, do ponto de vista da igualdade e do empoderamento feminino. Eu definitivamente recebi algumas consultas. Algumas pessoas falando. Tudo é possível, mas, no momento, sou uma jogadora de futebol e vamos ver o que acontece no futuro”, previu.

Ao mesmo tempo, disse que a pressão psicológica sobre um kicker não a abalaria. “Eu abraço a pressão. Amo a pressão. Depende da mente, treinar a mente. Vale a pena ter algumas conversas sobre isso. Com treinamento e alguém me mostrando, eu sei que consigo. Eu tenho um dos chutes mais precisos no nosso jogo. O grande negócio seria me acostumar com os caras grandes, mas nada me assusta. Você se reprime se fica assustada. O que é o pior que pode acontecer? Não ser contratada pelo time? Vamos dizer que eu tente. Talvez eu mude muito o panorama”, projetou.

A posição de kicker na NFL não tem contato físico com outros jogadores, logo seria possível uma mulher entrar ocupá-la.

MAIS SOBRE:

futebol americanofutebol femininoNFL [Liga de Futebol Americano]Carli Lloyd
Comentários