Marca a ser batida na Rússia: nenhum técnico 'estrangeiro' levou a Copa

No Mundial da Rússia, mais de um terço das seleções participantes terão técnicos estrangeiros

Relacionadas

Técnicos que não são da mesma nacionalidade da seleção que comandam nunca conquistaram um título de Copa do Mundo e tentarão na Rússia quebrar o domínio dos treinadores que disputam o torneio com seus próprios países. 

+ Copa do Mundo pode definir o melhor jogador do mundo: quem será eleito?

+ Perícia traz nova hipótese sobre morte de Astori, capitão da Fiorentina

+ Putin dá boas-vindas a torcedores na Copa em discurso televisionado

Essa foi a história de 19 técnicos campeões do mundo. Entre eles, Alberto Horacio Supicci, com o Uruguai, em 1930, foi o primeiro. Joachim Löw, com a Alemanha, em 2014, foi o último.

Apenas dois técnicos quase conseguiram quebrar essa tradição ao longo da história. O inglês George Raynor, que tinha sido campeão olímpico com a seleção da Suécia em 1948, em Londres, levou a seleção da casa à final da Copa de 1958, mas foi desbancado por Pelé e companhia, que conquistaram o primeiro título mundial do Brasil naquele ano. 

Vinte anos depois, o austríaco Ernst Happel levou a Holanda à final contra a Argentina, em 1978, mas os comandados de César Menotti levaram a melhor na prorrogação e levantaram a taça. 

Na Rússia, mais de um terço das seleções participantes terão técnicos estrangeiros. Serão 11 os treinadores que tentarão escrever seu nome na história na Rússia, quebrando um dos tabus mais longos da história das Copas.

São eles os argentinos José Antonio Pizzi (Arábia Saudita), Héctor Cúper (Egito), Ricardo Gareca (Peru) e José Pekerman (Colômbia); os colombianos Juan Carlos Osorio (México) e Hernán Gómez (Panamá); o francês Hervé Renard (Marrocos); o espanhol Roberto Martínez (Bélgica); o holandês Bert van Marwijk (Austrália); o croata Vladimir Petkovic (Suíça) e o norueguês Age Hareide (Dinamarca)./ EFE

MAIS SOBRE:

FutebolCopa do Mundo Rússia 2018 [futebol]
Comentários