McDonald's leva 1.500 crianças do mundo todo para a Copa da Rússia

A maior parte das escolhidas será da anfitriã do Mundial e onze serão brasileiras

Relacionadas

O McDonald's vai levar 1.500 crianças do mundo todo para entrar em campo com as 32 seleções da Copa do Mundo na Rússia. E onze brasileiros de seis a dez anos terão a oportunidade de participar do maior torneio esportivo do planeta. Todos os custos de viagem serão bancados pela multinacional do ramo de alimentos. 

+ Felipe Andreoli deixa vazar reforço da Globo para a Copa do Mundo

+ Nike divulga fotos da camisa da seleção para a Copa do Mundo de 2018

+ Alemanha de verde, Argentina de preto: veja outros uniformes reservas

As inscrições para a promoção chamada de "Prepara a Emoção" começaram nesta semana e vão até 18 de abril, quando será realizado o sorteio pela Loteria Federal. As escolhidas ficarão quatro dias na Rússia e terão a oportunidade de conhecer outras crianças de diferentes nacionalidades. No total, serão 1.500 - a maior parte da Rússia, pela facilidade logística, e o restante, de outras nações onde o McDonald's tem operações. 

As onze do Brasil vão entrar em campo de mãos dadas com a seleção na partida contra a Costa Rica, em 22 de junho, em São Petersburgo, e vão conhecer pontos turísticos da Rússia, além de participar de um roteiro de atividades preparado pela empresa. 

Lado diferente do craque

Roberto Gnypek, vice-presidente de Marketing do McDonald’s Brasil, conta que a empresa escolheu Neymar, o principal nome da seleção, como o embaixador das ações da marca relacionadas à Copa. Segundo Gnypek, um dos principais públicos da companhia são as famílias e o lado de Neymar como pai não costuma ser explorado pela publicidade.

"Muitas discussões sobre o Neymar são sobre sua performance em campo e sobre sua fama, mas vamos trazer esse lado do pai, que convive com a criança, que orienta, educa", explica. 

Emoção de quem viveu

Em 2014, a empresa levou 1.200 crianças para entrar nos campos da Copa do Mundo do Brasil. Uma delas foi o gaúcho Getúlio Felipe da Silva, que tinha nove anos na época, e teve a oportunidade de entrar no estádio em Porto Alegre de mãos dadas com o goleiro alemão Manuel Neuer. Aquele dia mudou sua vida.

Diagnosticado com paralisia cerebral ao nascer, Getúlio encontrou no esporte a motivação para superar os desafios. "Um médico já me disse que eu não iria caminhar, mas hoje eu até jogo bola. Muita gente vai dizer que você não é capaz, que não vai conseguir, mas você não pode desistir", diz.

Ele chegou a ir para a Alemanha no final de 2014, onde visitou o centro de treinamento do Bayern de Munique e reencontrou Neuer. Na época, ouviu que isso seria impossível. "As pessoas duvidavam, mas eu corri atrás, muita gente me ajudou e consegui tudo: passagem, hospedagem e a entrevista com o Neuer", diz ele, que também participa de um programa de rádio em Porto Alegre. 

Getúlio sabe falar alemão e conseguiu conversar com ídolos da equipe alemã como Bastian Schweinsteiger, Mesut Özil, Thomas Müller e Mario Götze, o autor do gol do título contra a Argentina. "Se não fosse o projeto (do McDonald's), não estaria dando essa entrevista, não teria virado cidadão emérito de Porto Alegre e não teria ido para o exterior viver os melhores dias da minha vida", explica, muito contente. 

O garoto já viajou para fazer palestras motivacionais e ganhou notoriedade na imprensa nacional por superar suas limitações com simplicidade, leveza e muita alegria. "Nossa vida é um sonho e os sonhos são desafios. Se eu não tivesse força de vontade, não teria criado um mundo novo para mim". 

MAIS SOBRE:

futebolCopa do Mundo Rússia 2018 [futebol]seleção brasileira masculina de futebol
Comentários