Megan Rapinoe responde a Trump: 'sou extremamente americana'

Jogadora se diz feliz por ter nascido no país norte-americano, mas que não fecha os olhos para os problemas da nação

Relacionadas

Megan Rapinoe está chamando as atenções durante a Copa do Mundo Feminina tanto dentro quanto fora de campo. Se fez os gols dos Estados Unidos nas oitavas e nas quartas, a atleta entrou em uma discussão com o presidente do país, Donald Trump, de quem é opositora.

Rapinoe é ativista pelos direitos LGBT e dos negros, e, em 2016, participou do protesto iniciado por Colin Kaepernick de se ajoelhar enquanto o hino dos EUA era tocado antes dos jogos - hoje, como foi proibida de repetir o gesto, ela se recusa a cantar. Durante a Copa, disse que não iria para a p**** da Casa Branca se fosse campeã e recebesse um convite de Trump. O presidente, então, acusou a atleta de desrespeitar o país e que ela deveria terminar o serviço antes de falar.

Rapinoe respondeu o presidente em coletiva e disse que respeita o país. "Acredito que sou especial e excepcionalmente americana. Se quisermos falar sobre os ideais que defendemos, todas as músicas, o hino e da base em que fomos fundados, acho que sou extremamente americana", afirmou.

"Acho que defendo a honestidade, a verdade e a vontade de se discutir os assuntos. Posso olhar para o país com honestidade e dizer sim, somos um grande país e há muitas coisas que são tão incríveis, e me sinto muito feliz por ser daqui. Eu nunca seria capaz de fazer isso em muitos outros lugares", considerou Rapinoe, sobre a liberdade que tem para criticar.

"Mas também isso não significa que não podemos melhorar. O país foi fundado em muitos grandes ideais, mas também foi fundado na escravidão. E acho que só precisamos ser honestos e abertos ao falar sobre isso", finalizou a jogadora sobre o assunto.

Os Estados Unidos está na final da Copa do Mundo, em que enfrentará a Holanda, no próximo domingo, em Lyon. O jogo será às 12h (horário de Brasília), e a expectativa é que Rapinoe esteja em campo, após ficar fora da semifinal por uma lesão.

MAIS SOBRE:

futebol femininoMegan RapinoeDonald Trumpseleção norte-americana feminina de futebolCopa do Mundo 2019 França [futebol feminino]
Comentários