Na Rússia, ativistas formam bandeira do arco-íris com camisas das seleções

Grupo faz parte de uma organização chamada The Hidden Flag - a bandeira escondida

Na Rússia o homossexualismo é crime. No país, pessoas que exibem uma bandeira com um arco-íris  podem até ser levadas para a cadeia, já que o objeto e outros símbolos da luta pela igualdade LGBT também são proibidos. Por isso, um grupo de ativistas resolveu inovar na maneira de protestar.

+ Membro da federação revela que russos inalaram amoníaco antes dos jogos​

+ Juventus apaga vídeo de rede social que indicava contratação de CR7

+ 'Neymar challenge' viralizou: o novo desafio das redes imita quedas do brasileiro

Usando as camisas das seleções dos seus países: Espanha, Holanda, Brasil, México, Argentina e Colômbia. Os seis idealizadores caminham unidos, na ordem correta, formando um arco-íris. Isso tudo em plena luz do dia e em frente as autoridades do país. 

Autoridades essas que inclusive prenderam um ativista britânico na Praça Vermelha, no centro de Moscou, por protestar contra os abusos sofridos pelos homossexuais na Rússia. O grupo faz parte de uma organização chamada The Hidden Flag - a bandeira escondida.

No vídeo de divulgação da ação, os ativistas falam sobre as leis do país regido por Putin, onde qualquer demonstração de afeto em locais públicos também é considerado crime.  

Elói Júnior é o representante brasileiro do projeto. No site, o publicitário que veste uma camisa com o nome de Neymar nas costas se apresenta. "Meu namorado disse: 'você tá maluco? É muito perigoso'. E eu disse 'o risco não me importa, é um projeto que quero muito participar'".

"De cara é o projeto mais emocionante que participei na minha vida. Venho de uma família conservadora e de uma cidade muito pequena, então não foi fácil pra mim e pra minha irmã, que também é gay. Por isso fiquei tão animado de formar o nosso arco-íris de forma tão inesperada. Espero que toque o coração de muita gente. É um chamado de amo", conclui. 

 

MAIS SOBRE:

Futebolrede socialhomossexualidadehomofobiaCopa do Mundo Rússia 2018 [futebol]
Comentários