Petit revela arrependimento em ter ido para o Barça e elogia Wenger em livro

Campeão do mundo em 1998, ex-jogador diz que vestiário do time catalão era muito dividido

Relacionadas

O meia Emmanuel Petit revelou em sua recém-publicada autobiografia que se arrependeu de ter se transferido do Arsenal para o Barcelona em 2000, graças ao clima no vestiário do clube. O francês foi campeão do mundo em 1998 com a seleção e teve bons momentos na Inglaterra, mas não teve sucesso no time catalão. Em outra passagem, fala da ajuda de Arséne Wenger para superar a morte do irmão.

+ Antiga prisão do Estado Islâmico, estádio de Raqqa reencontra o futebol

+ Coutinho fala sobre expectativa por disputar final e diz: 'Quero títulos'

+ Site oficial do Corinthians é hackeado: 'Salve a todos os santistas'

Segundo Petit, o vestiário do Barça tinha muitas 'panelinhas'. "A única coisa que lamento na minha vida foi ter trocado o Arsenal pelo Barcelona. Os vestiários eram podres por clãs. Quando eu fui conhecer meus colegas, a maioria não deu atenção e nem me cumprimentou. Em pouco tempo vi que havia três grupos: os catalães, os holandeses e os outros", conta o francês no livro.

"Barcelona, para minha desgraça" é o nome do capítulo em que Petit conta a passagem pelo Barcelona, para não deixar dúvidas de que se arrepende. Dentro de campo, o francês também não rendeu o esperado e acabou voltando ao futebol inglês, desta vez para o Chelsea, após um ano na Catalunha.

Em outra passagem, Petit fala queo atual técnico do Arsenal, Arséne Wenger, foi importante para ajudá-lo a superar a morte do irmão mais velho. Quando Olivier Petit morreu em 1988, Emmanuel era ainda um jovem nas categorias de base do Monaco, então dirigido por Wenger. "Eu não quero que você mude. Só quero que note que a vida é bonita e não estamos aqui apenas para jogar futebol. Estamos aqui para nos construirmos enquanto seres humanos e se você estiver feliz, irá se tornar uma pessoa melhor e então um jogador melhor" teria dito o técnico ao jovem jogador. Posteriormente, os dois se reencontraram no Arsenal, onde conquistaram o campeonato inglês em 1998.

MAIS SOBRE:

futebol internacionalfutebolBarcelona [Futbol Club Barcelona]Arsene Wenger
Comentários