Por protestos contra a Igreja, time feminino do Vaticano se retira de jogo

Jogadoras e torcedores da equipe adversária, o Mariahilf, se manifestaram a favor do aborto e dos direitos LGBT

Relacionadas

A equipe de futebol feminino do Vaticano deveria ter realizado seu segundo jogo desde que foi criada no último domingo, 24/06, contra a equipe austríaca do Mariahilf, em Viena. Mas as atletas se retiraram de campo antes da partida começar, por ações das adversárias.

Enquanto o hino do Estado comandado pela Igreja Católica era tocado, algumas das jogadoras austríacas levantaram camisas com mensagens a favor do aborto e com posições pró-LGBT. Algumas faixas defendendo essas posições, que são contrárias às da instituição religiosa, também foram levantadas nas arquibancadas.

As atletas do Vaticano se surpreenderam com os protestos e, em conjunto com o diretor esportivo da equipe, decidiram não entrar em campo. Segundo elas, a intenção era não continuar a instrumentalizar politicamente uma ocasião que deveria ser apenas uma festa.

O time feminino do Vaticano foi criado no em abril de 2019, décadas após a criação dos times masculinosamadores do pequeno Estado (que normalmente são de funcionários que trabalham no local). Até agora, elas disputaram apenas uma partida, no último dia 26 de maio, contra o time sub-19 da Roma, na qual foram derrotadas por 10 a 0.

MAIS SOBRE:

futebol femininoVaticano [Europa]Igreja Católicaaborto
Comentários