Raí volta ao São Paulo: relembre a carreira do 'terror do Morumbi'

Ex-jogador e ídolo do Tricolor foi anunciado como novo diretor executivo do clube

Relacionadas

Um dos maiores ídolos da história do São Paulo, Raí foi apresentado como novo diretor executivo do clube nesta sexta-feira, no CT da Barra Funda. O novo diretor garante ter recebido carta branca para executar mudanças do futebol tricolor e prometeu se esforçar para fazer o time reencontrar sua identidade "eficiente" dentro de campo.

Raí demorou para decidir jogar futebol profissionalmente, afinal, a família já tinha um craque. Seu irmão mais velho era ninguém menos que o 'Doutor' Sócrates, um dos maiores jogadores do futebol brasileiro. Aos 15 anos, enfim, começou a sua carreira no futebol, vestindo a camisa de outro tricolor, o Botafogo de Ribeirão Preto, clube onde jogou de 1980 a 1986. Depois de uma curta passagem pela Ponte Preta, o meio-campista voltou ao Botafogo e estreou com a camisa da seleção Canarinho no empate de 1 a 1 com a Inglaterra, em 1987.

Quatro meses depois, sua convocação para a seleção brasileira rendeu a maior transação já realizada entre times brasileiros na época: Raí foi comprado pelo São Paulo Futebol Clube por 24 milhões de cruzados. 

Com a chegada de Telê Santana, Raí conquistou a camisa 10 do time e começou a colecionar títulos. Pelo São Paulo, ele foi campeão brasileiro em 1991, venceu quatro campeonatos paulistas (1989, 1991, 1998 e 2000), levantou duas taças da Libertadores (1992 e 1993) e um mundial (1992). 

E foi no mundial de 1992 que o craque se consagrou, marcando dois gols e entrando de vez para a história do clube. O São Paulo enfrentava o Barcelona e começou atrás no placar. Mas depois de um cruzamento de Müller, Raí empatou o jogo ainda no primeiro tempo. E na segunda etapa do jogo, o meio-campo do São Paulo marcou mais um, em uma cobrança de falta ensaiada. Um gol antológico, que garantiu o primeiro título intercontinental do Tricolor. 

Raí saiu do São Paulo para jogar no Paris-Saint Germain, onde ficou de 1993 a 1998. No clube francês, ele conquistou diversos títulos, como Copa Liga da França (95 e 98), Copa da França (93, 95 e 98), Campeonato Francês (94) e a Recopa Europeia (96). Além de títulos, Raí marcou 72 gols pelo PSG, tornando-se o oitavo maior artilheiro da história do clube. Depois de jogar pelo PSG, o meia ainda voltou ao São Paulo em 1998, antes de se aposentar em 2000, aos 35 anos. 

MAIS SOBRE:

futebolRaíParis Saint-GermainSócratesLibertadores [Copa Libertadores da América]Barcelona [Futbol Club Barcelona]
Comentários