Repórter de rádio denuncia ter sofrido assédio durante jogo do Inter no Beira-Rio

Homem deu beijo na bochecha de Camila Diesel contra a vontade dela após o segundo gol do time gaúcho

Relacionadas

A repórter Camila Diesel, da rádio Guaíba, denunciou ter sofrido um assédio nos minutos finais do jogo entre Inter e Nacional do Uruguai no Beira-Rio. A jornalista, que normalmente fica na arquibancada abaixo das cabines de transmissão, levou um beijo na bochecha contra a vontade logo após o segundo gol do time colorado.

"Ele me soltou e eu fiquei atônita. Foi muito perto da minha boca, não esperava, não sabia nem como reagir naquela situação. Parece uma bobagem um beijo na bochecha, mas é muito invasivo. A torcida gritando gol, eu prestando atenção na jornada, com os fones, não tive muito reação na hora. Depois ele passou por mim e ainda me deu um tchauzinho", relatou ao portal UOL.

"Não tinha mais muita coisa que fazer, a gente estava encerrando o jogo. Comecei a pensar sobre aquilo, mas ao mesmo tempo não queria me vitimizar, acho que não é essa a ideia. Comecei a tentar me controlar, para que se tivesse que desabar, desabar depois. Me senti bem mal e ao mesmo tempo a gente fica pensando o que poderia ter feito, se eu deveria ter reagido, por que eu não fiz nada. Mas na hora a gente não consegue pensar muito", continuou.

Camila relatou ter pensado em não falar nada, mas que deveria denunciar a situação. Ela contou ter recebido apoio na rádio e do Internacional. "O vice-presidente João Patrício Herrmann, do Internacional, me ligou se colocando à disposição, para se precisasse ter acesso às câmeras. Me senti com bastante suporte", disse ela.

Confira os tweets da repórter falando sobre a situação.

MAIS SOBRE:

futebolLibertadores [Copa Libertadores da América]Camila Dieselcrime sexual [Assédio Ato libidinoso Corrupção de menor Estupro]
Comentários