Revista americana defende Neymar: 'o mundo inteiro está errado'

'The Atlantic' publicou um artigo intitulado 'O gênio chato que vale a pena assistir na Copa do Mundo'

Após as inúmeras críticas da imprensa internacional sobre o comportamento de Neymar em campo durante a Copa do Mundo da Rússia, a revista americana The Atlantic publicou um artigo nesta quinta-feira em defesa do craque brasileiro.

+ Chegada de 'Cristiano Ronaldo' a Turim causa alvoroço - mas era um sósia

+ Simulação apontou Brasil eliminado nas quartas pela Bélgica e França campeã

+ Entregou! Ana Maria reclama não poder chamar o Canarinho de Pistola

Intitulado como "O gênio chato que vale a pena assistir na Copa do Mundo", o texto ressalta as qualidades do camisa 10 da seleção brasileira. "Neymar da Silva Santos Júnior, do Brasil, é o tipo de ser humano que os especialistas em futebol na Inglaterra e nos Estados Unidos, propensos a hipocrisias sobre fair play, nasceram para desdenhar. E depois de seu desempenho na vitória do Brasil sobre o México, o ódio sobre Neymar foi além da média", diz o texto assinado pelo jornalista Franklin Foer.

"Meu Deus, Neymar até ganhou o prêmio de melhor jogador da partida, mas a Fifa tem de olhar para a maneira como ele se comportou nesse jogo. Não consigo achar outra maneira de descrever que não seja lamentável", acrescentou Schmeichel.

"Bem, o mundo inteiro está errado. Os críticos de Neymar desprezam sua contorção teatral no chão depois de uma brisa acariciar seu pescoço; eles zombam de seus cabelos, que ele reestilizou quatro vezes nas últimas duas semanas. Quando Neymar toca a bola, ele frequentemente ignora o fato de que o campo está cheio de colegas de equipe - do mais alto calibre - e essa conveniência ditaria que ele passasse para eles. As palavras que você mais ouve associadas a Neymar são travessuras e adolescentes", conta.

Além das defesas, o artigo também compara o desempenho de Neymar com os astros Cristiano Ronaldo e Messi, que já deram adeus ao Mundial. "Esta Copa do Mundo é um momento para admitir o óbvio: o duopólio de Cristiano Ronaldo e Lionel Messi, que dominou o jogo global na última década, está em seu fim. Neste torneio, tanto Messi quanto Ronaldo desapareceram nos jogos decisivos de suas seleções. Eles pareciam exaustos e privados da criatividade que definiu suas carreiras".

Neymar e companhia encaram a Bélgica nesta sexta-feira, pelas quartas de final da Copa do Mundo, às 15h, em Kazan. Ainda de acordo com o texto da revista americana, o jogo deve ser mais um passo positivo para os brasileiros na competição. "Ronaldo e Messi já se foram e aqui está Neymar levando a equipe agora favorecida para ganhar a Copa do Mundo - uma equipe que, por todas as aparências, respeita respeitosamente a sua genialidade e tem verdadeiro prazer em seu sucesso".

 

MAIS SOBRE:

FutebolNeymarCopa do Mundo Rússia 2018 [futebol]
Comentários