Saiba como o jogo do Brasil colaborou com a crise no Haiti e queda do premiê

Jack Guy Lafontant renunciou devido uma onda de protestos pela alta no preço dos combustíveis

Durante a Copa do Mundo da Rússia circularam nas redes vídeos da população haitiana comemorando - talvez até mais que nós mesmos - o desempenho da seleção brasileira, principalmente após a vitória nos acréscimos diante da Costa Rica. Mas se o futebol é muitas vezes sinônimo de união, o esporte mostra que também pode ser usado como uma ferramenta de alienação.

+ Alisson deve chegar no Liverpool como o goleiro mais caro da história

+ Vídeo: toneladas de lixo em mar revoltam Kelly Slater e mundo do surfe

+ Piada sem fim: Neymar vira personagem que só cai no famoso jogo GTA

O governo do Haiti aproveitou a distração da população com as quartas de final entre Brasil e Bélgica para tomar uma atitude que sequer foi anunciada: um aumento considerável no preço dos combustíveis do país com o fim dos subsídios. 

Com a derrota da seleção brasileira e eliminação do mundial na Rússia, os haitianos perceberam a manobra política e iniciaram uma onda de protestos - alguns, inclusive, bastante violentos. Carros foram incendiados, barricadas formadas, voos internacionais cancelados. 

A história, contada por Richard Ensor, chefe do escritório da revista The Economist na Cidade do México, revela que a gasolina aumentou 38%, o diesel 47% e a querosene 51%, item que é muito usado pela população mais pobre nas casas sem energia elétrica. 

Ao menos três pessoas faleceram nas manifestações provocadas não só pelo aumento considerável dos preços, mas por ter sido o estopim da uma população que convive com alta inflação, desemprego e miséria. 

O Haiti ainda aparece no ranking do Banco Mundial como tendo uma das sociedades mais injustas do mundo: cerca de 60% da população vivem com menos de dois dólares por dia.

Resultado: o primeiro-minitro haitiano Jack Guy Lafontant renunciou e o governo voltou atrás na decisão.

 

Place Boyer

Uma publicação compartilhada por PartyingInHaiti (@partyinginhaiti) em

MAIS SOBRE:

FutebolHaiti [América Central]seleção brasileira masculina de futebol
Comentários