São-paulina acusa organizada de homofobia por pedido para filho tirar brinco

No Twitter, torcedora mostrou indignação por comportamento de torcedores no jogo contra o São Caetano, no ABC

Relacionadas

Uma torcedora do São Paulo utilizou as redes sociais para criticar o comportamento de membros da Independente, principal organizada do time tricolor, durante a derrota por 1 a 0 para o São Caetano no último sábado. Moradorada da cidade do ABC, ela foi ao estádio com o filho de 14 anos e se surpreendeu ao ver membros da organizada, próximos dela e do jovem, pedirem a ele que tirasse o brinco para não "parecer" homossexual.

Messi: 'Se não ganharmos a Copa, essa geração terá que sair'

Em briga de bar, jogador é esfaqueado e está internado em estado grave

"Meu filho tem 14 anos. Ama o SPFC. Estamos no Anacleto, próximos à torcida e a Independente mandou todos os moleques tirarem os brincos pra não pareceram viados e que ali era 'torcida organizada'. A molecada, com medo, tirou", relatou a torcedora no Twitter. Procuradas pela reportagem, lideranças da Independente disseram não ter conhecimento do episódio.

A reação da torcedora ganhou repercussão nas redes sociais, e a torcedora recebeu dezenas de mensagens de apoio. No domingo, publicou um agradecimento. "Eu relatei o que aconteceu com meu filho no último jogo do SPFC. Não sou 'influencer', não marquei nenhum perfil famoso, nada. Foi apenas um desabafo e uma decepção. Tô bem surpresa com a repercussão, mas feliz pela indignação. Significa que estamos no caminho certo."

Ao Fera, ela lamentou o episódio. "Moramos em São Caetano e vamos sempre que possível ao Morumbi. Ficamos animados com a possibilidade de ver o SPFC perto de casa. Ele (filho) joga bola, quer ser jogador e eu trabalho desde sempre a questão de respeito às mulheres, àqueles que são diferentes dele. E a torcida organizada prega esse preconceito sem lógica."

No início do mês, outro protesto contra atitudes homofóbicas em estádios foi registrado. O torcedor do Palmeiras Willian De Lucca se incomodou com gritos preconceituosos da torcida de seu time direcionados à equipe do Morumbi e, nas redes, teve grande repercussão ao publicar críticas aos gritos homofóbicos palmeirenses. 

"A torcida do Palmeiras, em sua homofobia típica, canta que 'todo viado nessa terra é tricolor'. Parece que encontrei uma exceção à regra: eu mesmo, viado e palmeirense, e que cola no estádio em todos os jogos."

MAIS SOBRE:

futebolSão Paulo Futebol Clube
Comentários