Se tivesse trauma, eu não estaria mais jogando, diz Marcelo sobre 7 a 1

'Estas são coisas que podem acontecer no futebol', disse o lateral-esquerdo

Relacionadas

Embora o colapso atordoante da seleção brasileira na semifinal da Copa do Mundo de 2014 ainda esteja fresco para a maioria dos torcedores de futebol, a seleção parece ter apagado de sua memória o desastre do 7 a 1 para a Alemanha.

+ Com foto de charuto, Maradona pede desculpas por fumar em estádio

+ Mascherano diz que Copa do Mundo não será fácil para a Argentina

+ Internet não perdoa pênalti perdido por Cueva; veja os memes

A Alemanha, que venceu a Copa, deixou o Brasil em lágrimas naquela noite, mas o lateral Marcelo, na véspera da partida de estreia da seleção pelo Grupo E contra a Suíça na Rostov Arena, insistiu que não há cicatrizes psicológicas.

"Estas são coisas que podem acontecer no futebol... Se tivesse (trauma), não estaria mais jogando futebol", disse o lateral-esquerdo de 30 anos, que será capitão do Brasil contra a Suíça, a repórteres.

"Mas não há trauma. Eu tenho metas e eu foco nelas, eu tenho novos desafios o tempo todo, e a Copa do Mundo deste ano é um deles, assim como não me machucar ou fazer a transição do futebol de clube para o futebol internacional". "Eu não mantenho coisas na minha cabeça - nem mesmo as coisas boas", completou.

Entre as coisas boas está um histórico de 17 vitórias, três empates e uma derrota nos últimos 21 jogos do Brasil. De acordo com o técnico Tite, este histórico dá ao time “paz interior”, conforme a seleção busca seu sexto título mundial, e o primeiro desde 2002.

Perguntado sobre como está dormindo antes dos jogos, Tite disse: "Eu administro meus fantasmas e minhas angústias. Eu tenho muita experiência nisso. Eu foco no que é importante. Há um tipo de paz interior que nós estamos construindo".

Tite, de 57 anos e que assumiu após saída de Dunga em 2016, também levou alegria para um time que foi deixado humilhado após o fracasso em 2014. "O professor mudou a cara da seleção", disse Marcelo./ Reuters

MAIS SOBRE:

FutebolCopa do Mundo Rússia 2018 [futebol]seleção brasileira masculina de futebolfutebolMarcelo
Comentários