STJD passará a punir cânticos homofóbicos de torcidas após Copa América

'Futebol não é terra sem lei', diz Paulo César Salomão Filho, presidente do tribunal; punições podem ser multa ou perda de pontos

Relacionadas

A homofobia dos torcedores passará a causar punições aos clubes brasileiros após a pausa da Copa América, podendo variar de multas a perda de pontos. A situação é uma promessa de Paulo Cesar Salomão Filho, presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD).

A aplicação de punição passa a estar em conformidade com a recente mudança de entendimento da lei feita pelo Superior Tribunal Federal, que passou a considerar a homofobia como crime, e com os regulamentos da Fifa, que punem federações cujos torcedores praticam esse tipo de ato em jogos de seleções.

"O tribunal está atento a essa questão. Em um primeiro momento, vamos exercer um papel pedagógico. O objetivo nunca foi e nunca será punir ninguém. E, sim, melhorar o espetáculo. O campo de futebol não é uma terra sem lei. Pelo contrário, é um lugar que tem de ser lúdico para que as pessoas possam se divertir e possam levar as suas famílias sem violência e atos discriminatórios e homofóbicos" declarou Salomão Filho ao site globoesporte.com.

Segundo ele, as punições não serão aplicadas em um primeiro momento: haverá tempo para que os clubes informem os torcedores e produzam campanhas de conscientização. Se elas não surtirem efeito, aí sim os clubes passarão a ser enquadrados no artigo 243-G do código de justiça desportiva.

"A tendência do tribunal é de fazer uma interpretação mais extensiva desse artigo que prevê a questão da injúria. A pena vai de multa aos clubes caso seja por um torcedor. Se a manifestação por um número considerável de torcedores, pode haver a perda de pontos e até a eliminação em competição de mata-mata", explicou Salomão Filho.

O Brasil já foi punido pela Fifa por comportamentos homofóbicos de torcedores: durante as eliminatórias para a Copa de 2018, teve que pagar 123 mil francos suíços (R$ 450 mil). Na Copa América, gritos de 'bicha' foram direcionados ao goleiro boliviano Lampe quando ele ia bater tiros de meta na partida contra a seleção brasileira.

MAIS SOBRE:

futebolhomofobiaSTJD [Superior Tribunal de Justiça Desportiva]
Comentários