Técnico do Senegal diz que não é símbolo sexual e brinca: 'é bom ser amado'

Aliou Cissé foi questionado sobre o destaque que ganhou com a torcida durante a Copa do Mundo

Relacionadas

A seleção do Senegal está chamando a atenção dos torcedores durante a Copa do Mundo da Rússia, mas não é apenas em campo. Fora dele, o técnico Aliou Cissé, único comandante negro do Mundial, é quem ganhou popularidade. 

+ Atacante australiano revela ameaças a companheiro por atuações ruins na Copa

+ Goleiro homenageado pela Islândia anuncia completa remissão do câncer

+ Argentinos são presos por usar troféus falsos da Copa para traficar drogas

Apesar da fama, Cissé afirmou durante entrevista coletiva que não é um símbolo sexual e brincou ao ser questionado por um jornalista russo: "Não sei. Tem que perguntar às garotas. Não sou símbolo sexual de maneira alguma. Iguais ao Aliou Cissé existem milhões em Senegal e no mundo, então acho que não. Mas de qualquer maneira é bom ser amado", disse.

No Mundial da Rússia o próximo desafio do treinador para finalziar a fase de grupos da competiçã oserá contra o Japão, neste domingo, às 12h. A equipe já acumula duas vitórias: 2 a 0 sobre a Coreia do Sul e 2 a 1 sobre a Polônia. 

Cissé é ex-jogador e foi capitão da equipe senegalesa de 2002. Naquela edição, o zagueiro ajudou Senegal a ir até as quartas de final. Na estreia, a seleção venceu por 1 a 0 da França, depois empatou as partidas contra Dinamarca e Uruguai ainda na fase de grupos. Nas oitavas mais uma vitória: contra a Suécia por 2 a 1. Caiu nas quartas após a derrota por 1 a 0 para a Turquia. 

 

MAIS SOBRE:

FutebolCopa do Mundo Rússia 2018 [futebol]
Comentários