Tino Marcos deixa de cobrir a seleção na TV Globo após 30 anos de trabalho

Repórter não deve trabalhar nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2022 e a tendência é que fique fora também da Olimpíada de Tóquio-2020

Relacionadas

Após 30 anos acompanhando a seleção brasileira de futebol, o repórter Tino Marcos, atualmente de licença da TV Globo, voltará ao trabalho no próximo ano, mas não cobrirá mais a equipe brasileira. Assim, o jornalista não deve ir aos Jogos Olímpicos de Tóquio e também não cobrirá as Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2022.

Aos 57 anos, Tino é um dos principais profissionais do esporte no canal. A volta está prevista para janeiro e ele nega que seja como freelancer. "Não é bem isso, não. Sigo funcionário da Globo", disse em entrevista ao Notícias da TV.

Segundo a publicação, fontes na Globo afirmaram que ele deixaria de cobrir totalmente a seleção. A rotina de viagens e eventos internacionais estaria cansativa. Na negociação com a Globo ele não precisaria mais viajar, ir todos os dias para a redação e dar plantões em fins de semana e feriados.

"Isso é verdade", confirma o jornalista. "Por ora, dou um tempo nas grandes coberturas. Sou o repórter que cobriu mais jogos da seleção nos últimos 30 anos. Por enquanto, acompanharei mais de longe. E também não devo ir à Olimpíada", disse.

Tino Marcos entrou na Globo em 1985, como estagiário, e em 1989 começou a cobrir a seleção brasileira na Copa América daquele ano.

 

MAIS SOBRE:

futebolTino MarcosjornalismoRede Globotelevisão
Comentários