Torcida da Portuguesa se une para revitalizar estrutura do clube

Grupo de torcedores se juntou para pintar a lateral do gramado; próximo passo é pintar toda a arquibancada

Relacionadas

A torcida da Portuguesa se uniu para ajudar na revitalização do clube. A ação mais recente é pintar o entorno do gramado do estádio Doutor Oswaldo Teixeira Duarte, o Canindé, inaugurado em 1972, às margens da Marginal do rio Tietê. 

+ Após aposentadoria, Zé Roberto leva Portuguesa à final da Copa Rubro-Verde

+ Clube Ji-Paraná anuncia contratação de ex-Corinthians, Ji-Paraná

+ Edmundo responde a crítica de Romero: 'Você é que está no nosso País'

Com a estrutura envelhecida, o clube conta com apoio dos torcedores fiéis para melhoras. O trabalho começou em 2017 no centro de treinamentos da Portuguesa, com a aquisição de equipamentos para a cozinha do clube, como panelas, frigideiras, fornos e exaustores, após a consultoria do ex-jogador e técnico Leão.

Depois, foi hora de aprimorar a estrutura do salão nobre, com a construção de um banheiro acessível e reforma de outros dois comuns. Os torcedores também apoiaram na reforma dos quatro campos de futebol das categorias de base. 

"Colocamos pelo menos R$ 65 mil dentro do clube em 2017, tudo com ajuda dos torcedores, do pessoal da arquibancada mesmo", explica o aposentado Artur Cabreira Gomes, de 60 anos, um dos principais responsáveis pelas ações. 

Ele conta que o trabalho só é possível graças ao apoio de todos, mas cita em especial a locutora oficial do Canindé, Ana Vitória Nogueira Mendes, o eletricista José Hamilton Carvalho, e os engenheiros Leopoldo Aleixo e Ricardo Francisco Soares, todos fanáticos pela equipe rubro-verde. 

"Alguns dão material, conseguem equipamentos e outros apoiam como podem", explica Gomes. Eles vão colocar mais lâmpadas no Canindé, para melhorar a iluminação e querem até pintar toda a arquibancada, trabalho que vai precisar de pelo menos 70 latas de 18 litros de tinta. 

"O Canindé é nosso cartão postal. Nós temos muito orgulho desse estádio, erguido com a ajuda da própria torcida, e não vamos deixar a Portuguesa morrer". 

Gomes trabalha no Museu Histórico da Portuguesa, como voluntário, todos os sábados, das 11h30 às 14h. São três mil itens entre jornais, fotos, troféus e outras recordações do clube fundado em 1920. A entrada é gratuita. 

MAIS SOBRE:

futebol Portuguesa
Comentários