Torcida protesta contra chegada de zagueiro negro e clube cancela contratação

Erving Botaka-Yoboma foi alvo dos torcedores do clube russo Torpedo Moscou

Após o fim da Copa do Mundo da Rússia, assuntos como racismo voltaram a virar notícia no futebol russo. No último fim de semana, torcedores do clube Torpedo Moscou protestaram a chegada de um zagueiro negro na equipe. Hoje, o clube anunciou a desistência da contratação.

+ Fotógrafo 'amassado' por croatas é convidado a passar férias no país com tudo pago

+ Barbeiro responsável por cabelo de Neymar nega ter sido levado para a Copa

+ Casagrande narra como ficou um mês sem usar drogas durante a Copa da Rússia

Em uma nota oficial, o clube russo alega que a desistência está exclusivamente atrelada ao custo da transferência não planejado antes, e que não dá para fazer qualquer tipo de negócio no momento.

"Declaramos que nossa política de transferência é baseada exclusivamente em princípios esportivos. Nós nos opomos a qualquer forma de discriminação. O cancelamento da transferência de Erving Botaka-Yoboma está relacionado apenas ao custo da transferência".

"Recebemos uma carta do clube anterior do jogador com uma advertência sobre uma exigência de pagamento de compensação. A política do clube não inclui o pagamento de transferências", diz parte da declaração veiculada pelo britânico The Sun.

Erving Botaka-Yoboma, de 19 anos, nasceu na Rússia, mas tem origem congolesa. O jogador veio do time B do Lokomotiv Moscou. Com faixas, a torcida afirmou que não deseja contar com o novo reforço. "Pode haver preto nas cores do clube, mas só há brancos entre os torcedores", diz uma das mensagens.

Não foram apenas faixas que pediram a saída do jogador, os torcedores também publicaram uma foto de Botaka-Yoboma com um símbolo de proibição nas rede sociais. "Nosso clube, nossas regras", afirmaram.

Diante das ações racistas, Roman Avdeyev, presidente do clube, defendeu a escolha do zagueiro e condenou as atitudes dos fãs. "A cor da pele não é um critério para as nossas contratações. Nunca foi e nunca será", disse.

Alexander Zotov, presidente do sindicato de jogadores russos, também se manifestou sobre o caso, "Ocorreram mudanças após a Copa do Mundo, mas alguns idiotas ainda se mantêm", ressaltou.

MAIS SOBRE:

FutebolMoscou [Rússia]Lokomotiv MoscoutorcidaracismoRússia
Comentários