Vaiado pela torcida do Vasco, Fabrício explica ida para o vestiário após substituição

Jogador do Vasco se irritou com hostilidade da torcida, discutiu com auxiliar e socou bandeirinha de escanteio

Relacionadas

O lateral esquerdo Fabrício não vive bom momento no Vasco. O atleta, que não é conhecido exatamente por ser calmo, foi substituído aos 15 minutos do segundo tempo no jogo contra o Internacional e recebeu vaias da torcida. O atleta foi diretamente para o vestiário, em vez de ficar no banco de reservas e no caminho socou a bandeirinha de escanteio e discutiu com o auxiliar técnico do clube, Paulo César Gusmão. A partida terminou empatada em 1 a 1.

"Saí bravo comigo mesmo, ninguém quer sair do jogo. Tenho certeza que o professor Alberto optou pela minha saída para o melhor do time. Eu queria continuar, mas acontece. A rapaziada me abraçou depois, estamos juntos, vamos até o final. Eu optei por ir para o vestiário, não é a decisão certa, mas eu quis tomar um banho, esfriar a cabeça e voltei, assisti ao jogo do túnel, com o PC (Gusmão)", justificou o atleta.

No momento da substituição, a torcida do Vasco pedia a saída de Fabrício. Duas semanas atrás, os torcedores fizeram o mesmo pedido durante o primeiro tempo da partida contra o Cruzeiro, mas não foram atendidos pelo técnico Alberto Valentim - ele voltou para o segundo tempo e, aos quatro minutos, deu assistência para Yago Pikachu abrir o placar, e, na sequência, os torcedores pediram que Fabrício ficasse em campo. O Vasco venceu o jogo contra os mineiros por 2 a 0, com Máxi López fechando a contagem.

Após a irritação demonstrada contra o Inter, Fabrício relatou já ter pedido desculpas para o treinador. "Já pedi desculpas para o Alberto que, mesmo sendo jovem, está segurando a minha bronca aqui no Vasco, sabendo que é difícil. Eu estou todo dia no treinamento, batalhando, lutando para buscar meu espaço. Quando chega aqui em São Januário eu sei que tenho que dar meu melhor, correr, batalhar, sabendo que eu não posso errar, porque se errar a torcida vai vir toda contra mim. Isso não é bom para o grupo, estou bem ciente disso, afirmou o lateral.

O temperamento de Fabrício é conhecidamente explosivo. Quando atuava pelo Internacional, houve um momento parecido: vaiado pela torcida em um jogo do Campeonato Gaúcho, o atleta tirou a camisa do clube, jogou no chão e fez gestos obscenos para a torcida. Foi expulso e deixou o clube logo após.

MAIS SOBRE:

futebolVascoCampeonato Brasileiro de Futebol
Comentários