Cícero faz gol do Grêmio e entra na lista dos heróis improváveis

Futebol permite que jogadores possam recuperar suas carreiras rapidamente

Relacionadas

Na história do futebol, muitos jogadores tiveram seus 15 minutos de fama, ao marcarem gols importantes, que decidiram campeonatos, mas que são pouco lembrados com o passar do tempo. Ficam apenas na mente dos mais fanáticos.

Cícero passou um bom tempo este ano encostado no São Paulo. A irregularidade é uma marca de sua vitoriosa carreira. Aos 33 anos, muitos poderiam pensar que o meia/atacante não encontraria uma equipe à altura de Santos, Fluminense, equipes nas quais já atuou, ou uma nova oportunidade no exterior, onde jogou na Alemanha.

 

Mas o destino quis que Cícero saísse do banco de reservas e fosse marcar o único gol do jogo, aos 37 minutos do segundo tempo, proporcionando ao tricolor gaúcho uma boa vantagem para o jogo de volta semana que vem na Argentina. Um empate sem gols vai dar aos gremistas o tricampeonato da Libertadores e Cícero será consagrado como o autor do gol do título.

Outros jogadores também tiveram seu momento de glória em 2018. Giovanni Augusto, muito constestado no Corinthians, foi o autor do gol da vitória do time em Curitiba, diante do Atlético-PR, que garantiu ao time do Parque São Jorge um enorme passo na busca pelo heptacampeonato nacional.

Seu companheiro Kazim não ficou atrás. Alvo de muitas piadas nas redes sociais, o atacante teve a difícil missão de susbtituir o artilheiro Jô contra o Avaí, na Arena Corinthians, e não decepcionou a Fiel torcida. Demonstrou confiança ao meter o peito na bola para marcar o gol da vitória.

 

Todos os times já tiveram seus "heróis improváveis". A equipe do São Paulo de 2005 tinha atacantes que sabiam fazer gols, como Amoroso, Luizão, Aloísio Chulapa e Diego Tardelli, mas coube ao volante Mineiro furar a zaga do Liverpool e marcar o gol do tricampeonato mundial  no Japão.

 

O gol que garantiu ao Palmeiras o Campeonato Brasileiro ano passado foi marcado pelo lateral-direito Fabiano, diante da Chapecoense, no Allianz Parque. O feito já começa a apagar da memória de muitos fãs do futebol, assim como o gol de Betinho, feito também com a camisa palmeirense na decisão da Copa do Brasil de 2012, no Paraná, contra o Coritiba.

 

O título paulista do Santos, em 2007, contra o São Caetano, no Morumbi, foi conquistado após uma vitória por 2 a 0. Os nomes de Adailton e Moraes, autores dos gols, só devem ser lembrados por santistas apaixonados.

Por essas e outras que o futebol se torna imprevisível e garante a paixão de seus torcedores.

 

MAIS SOBRE:

futebolMineiroArgentina [América do Sul]CíceroFluminenseLibertadores [Copa Libertadores da América]Giovanni AugustoCorinthiansAtlético ParanaenseLiverpool Football ClubfutebolSão Paulo Futebol Clube
Comentários