Com nove JUBs no currículo, atleta de handebol encara desafio de se formar

Ex-seleção de quadra e duas vezes melhor do mundo na areia, Gil Pires trocou seis vezes de faculdade e ainda não conseguiu completar curso de educação física

Relacionadas

Gil Pires está próximo de completar duas décadas dedicadas ao handebol, desde que começou ainda no colégio aos 16 anos. Como profissional, foi campeão do Sul-Americano (2010) e vice-campeão dos Jogos Pan-Americanos (2011), pela seleção brasileira de quadra. O pernambucano ainda veste a camisa da seleção de handebol de areia, pela qual conquistou sete títulos mundiais e foi eleito duas vezes o melhor jogador do mundo (2008 e 2014). Em sua nona participação nos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs), Gil vai em busca do quarto título, sem esquecer um dos seus maiores desafios: terminar a faculdade de educação física.

+'Phelps do JUBs', Larissa Oliveira ganha oito medalhas de ouro em Goiânia

"Comecei estudando publicidade e depois mudei para educação física. Estudei em seis instituições diferentes, mas não conclui o curso ainda, porque quando mudo de clube e de instituição não consigo aproveitar as matérias", disse o atleta que disputou os jogos por três instituições diferentes e nesta edição defende a Unipê-PB. "Quero ganhar mais uma medalha e me formar no próximo ano. Mas não sei se consigo chegar a décima edição do JUBs", afirmou o veterano, apontando para o joelho com uma bolsa de gelo. 

No JUBs 2016, o handebol masculino da Unipê-PB ficou em quinto lugar. Este ano, o objetivo da equipe é ir à final. No primeiro jogo, o time venceu a Universo-RJ por 35 a 30 e nesta quarta-feira, 25, encara a Unip-SP, campeã da última edição. “Criamos o hábito de treinar quatro ou cinco vezes por semana. Nosso treinador fez toda uma preparação para chegarmos aqui na ponta dos cascos e tentar levar a nova geração da Paraíba às finais”.

 

MAIS SOBRE:

JUBsJogos Pan-americanosParaíba [estado]Educação
Comentários