Conheça a diferença salarial entre os gêneros nos maiores torneios esportivos

No basquete, mesmo jogadores que não são estrelas podem receber 66 vezes a média salarial da WNBA

Relacionadas

No Dia Internacional da Mulher, movimentos pelo mundo utilizam a data para expor a diferença salarial entre homens e mulheres que realizam as mesmas funções em seus trabalhos, situação que ainda persiste em diversos campos. Um desses segmentos é o esporte.

Segundo pesquisa realizada pela consultoria Sporting Intelligence em 2017, o salário máximo que uma mulher pode ganhar é de US$ 105 mil (R$ 406 mil) na liga profissional de basquete dos Estados Unidos, a WNBA. Já o salário máximo na liga masculina, a NBA, era de US$ 25 milhões. Além disso, uma lista com 100 jogadores homens profissionais revelou que eles ganham em media US$ 7 milhões. Ou seja, mesmo jogadores que passam longe de serem estrelas conseguem ganhar até 66 vezes mais do que uma mulher.

Segundo a mesma pesquisa, há 137,021 jogadores profissionais de futebol no mundo para 1.287 jogadoras profissionais. Apenas 0,93% dos atletas profissionais de futebol são mulheres. A média dos salários das jogadoras profissionais de futebol norte-americano, em 2017, foi de US$ 27.054 (R$ 104 mil). Em 2017, a média do teto salarial para os times totalizou US$ 315 mil (R$ 1,2 milhão), sendo que cada time possuía em média 20 jogadoras. A media salarial dos jogadores homens é de US$ 327.249 (R$ 1,26 milhão), maior que o teto salarial de um time feminino.

No fim de 2018, as jogadoras da equipe colombiana do Atlético Huila conquistaram a Libertadores feminina e a equipe recebeu US$ 55 mil (R$ 212 mil) como prêmio - na edição 2018, o River Plate, campeão do torneio masculino, recebeu US$ 6 milhões (cerca de R$ 20 milhões). Além da diferença na premiação, a meiocampista Yoreli Rincón ainda denunciou que a diretoria do clube pretendia usar o dinheiro para desenvolver o time masculino, e não para premiar as atletas que foram campeãs.

Um bom exemplo vem dos torneios grand slam do tênis. Há mais de uma década os quatro principais torneios do esporte premiam igualmente os campeões masculinos e femininos.

MAIS SOBRE:

futebolbasquetetênisLibertadores [Copa Libertadores da América]
Comentários