Filha de Steve Jobs anuncia que vai competir no Pan-Americanos de Lima

Eve Jobs, norte-americana de 21 anos, competirá no saltos com o cavalo

Relacionadas

Eve Jobs, de 21 anos, é a terceira e mais jovem filha de Steve Jobs e Laurene Powell Jobs. Quando o cofundador da Apple morreu, em outubro de 2011, de câncer no pâncreas, Eve tinha apenas 12 anos. De lá para cá, a jovem tem se dedicado cada vez mais ao hipismo e conseguiu sua vaga para os Jogos Pan-Americanos.

Em uma entrevista à agência Efe em junho deste ano, a norte-americana explicou sua paixão pelas competições de hipismo e como é o refúgio que busca para poder equilibrar a vida. Nesta semana, Eve compartilhou registros de sua participação na Copa das Nações e citou sua ida a Lima.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Venue’s 2nd round from the Nation’s Cup in Falsterbo. On to the Pan Am Games in Lima!!

Uma publicação compartilhada por Eve Jobs (@evecjobs) em

Efe: Por que escolheu o esporte de saltos com o cavalo?

Jobs: Me apaixonei pelos cavalos. A principal razão por praticar este esporte é porque me encantam os meus animais, me encantam os meus cavalos. Desde que era pequena, era curiosa com estes animais e sempre quis estar perto deles, trabalhar com eles, e isso tem se desenvolvido cada vez mais. Com as oportunidades que vieram para competir neste nível, não poderia ser mais feliz e sortuda. Mas, primeiro é porque me encantam os cavalos.

Efe: Nunca teve medo das quedas?

Jobs: Os cavalos nunca me assustaram ou eu fiquei intimidada com esse aspecto do esporte. Certamente, na primeira vez que participei de uma grande competição, estava um pouco nervosa e ansiosa, porque queria ter um bom resultado e representar bem meu país. Tenho toda uma equipe que me apoia e trabalha tanto a cada dia, para fazer possível que eu participe deste esporte, e a um nível tão alto, que sempre quero ter bons resultados e que fiquem orgulhosos de mim. Acho que entender o aspecto mental desse esporte à medida que avanço a níveis mais altos, é um dos meus maiores desafios. Mas, não penso se caio ou no tamanho dos cavalos.

Efe: O que te proporciona às competições de saltos de cavalos?

Jobs: Me deu tanto, em diferentes momentos da minha vida. Me deu um lugar onde me refugiar, se estou preocupada com meus estudos ou coisas da minha vida. Foi sempre meu refúgio. Me encantam os cavalos. Simplesmente, levá-los ao campo, trabalhar com eles. É um esporte que te acalma e te centra. Sempre foi algo que busco. E, no fim da minha adolescência, me permitiu fazer coisas por mim mesma e organizar diferentes coisas, planejar. Aprendi a ser independente, responsável e ter que prestar contas. Há tanta gente que depende de você e trabalhar tanto para que eu possa praticar esse esporte que, certamente, não quero desapontá-los. Me deu uma grande quantidade de excelentes experiências, para render bem sob pressão e não me desiludir tanto, se as coisas não saem como você quer, porque assim é a vida e assim são os cavalos. São imprevisíveis, são animais que você trabalha. Me deu lições de vida maravilhosas. Foram anos importantes da minha vida. Me dá algo a cada dia.

Efe: Como concilia as competições com estudar em Stanford, uma das universidades mais exigentes dos Estados Unidos?

Jobs: Não estou competindo tanto como antes de começar Stanford. Vou para competições importantes e preparo os meus cavalos para esses dias específicos. E aos meus professores, explico que estou fazendo isso e, com antecipação, os comunico que dias não vou ir às aulas. Tenho um plano de quatro anos, que fiz de forma meticulosa, de que matérias tenho que fazer e quando. Para mim, é muito importante estar no esporte, como me dedicar aos estudos. Sou uma grande defensora de que, se você quer seguir um ambicioso sonho esportivo, como eu, é importante também estar na universidade. Só tenho 20 anos e tenho tanto o que aprender sobre o mundo. E tudo o que aprendo na universidade me ajudou no esporte. Em formas que não esperava. Permite me refugiar, se as coisas não vão bem na pista. Posso voltar à universidade e estar com meus amigos e fazer outras coisas, não pensar demais no que aconteceu. Foi ótimo para mim. Quanto mais ocupada estou, mais produtiva eu sou. Os meus resultados melhoram, tanto no esporte, como nos meus estudos. Sinceramente, ter ambos no nível que quero mudou a minha vida.

Efe: O que você diria a alguém para que se interessasse pelo esporte de saltos com o cavalo?

Jobs: As pessoas não entendem este esporte, realmente, até que vêm a um concurso. É um esporte que é difícil de explicar. É difícil de conceituar, até que você o vê. Que as pessoas assistam pelo menos uma vez. Assim, as pessoas irão se interessar mais. Por que é difícil de acompanhar.

 

MAIS SOBRE:

hipismoJogos Pan-americanosEve Jobs
Comentários