Menos de um ano após Rio-2016, medalhas olímpicas apresentam defeitos

Segundo jornal francês, cerca de 6% dos vencedores olímpicos tiveram que enviar as peças para reparo na Casa da Moeda

A pouco menos de um ano do fim dos Jogos Olímpicos, alguns campeões das competições no Rio têm enfrentado um pequeno problema. Segundo matéria do jornal francês Le Figaro, publicada neste sábado, entre 6% e 7% dos premiados observaram deteriorações nas medalhas fabricadas pela Casa da Moeda do Brasil. 

Relacionadas

De acordo com Mario Andrada, diretor de comunicações do comitê organizador da Olimpíada, os defeitos apareceram devido a um problema no revestimento da medalha, que pode ter sido afetado pela variação de temperatura em países frios. As peças que mais apresentaram defeitos foram as de prata.

Andrada ainda informou que diversos atletas já enviaram as medalhas de volta ao Brasil para a realização de reparos. "Um terço das medalhas já foram enviados de volta para a Europa para serem devolvidas a seus proprietários. Outro terço será retornado em poucos dias e todas as medalhas serão enviadas de volta em três a quatro semanas."

Em outubro do ano passado, algumas medalhas já haviam apresentado o mesmo problema. Entre os atletas afetados estava o nadador paralímpico Daniel Dias. À época, o comitê informou que 2% das medalhas entregues haviam apresentado problema, o que correspondia a 50 itens. Ao todo, foram entregues 5.130 medalhas, sendo 2.488 na Olimpíada e 2.642 na Paralimpíada. 

 

MAIS SOBRE:

Jogos Olímpicos rio 2016 Casa da Moeda
Comentários