Revista discute a homofobia no esporte: 'beijem quem vocês quiserem'

Especial da L'Equipe será publicado por completo neste sábado, dia 4

Relacionadas

Depois do beijo entre Messi e Cristiano Ronaldo na capa da revista France Football, é a vez de outra publicação se aprofundar no tema homofobia no esporte. "Beijem quem vocês quiserem", diz o título da principal matéria da edição deste sábado da revista francesa do L'Equipe.

A foto que ilustra a capa é de dois atletas de polo aquático se beijando. Os homens em questão são personagens de um filme que vai ser lançado nesse mês de maio, o 'Les Crevettes Pailletées', que conta a história de Matthias Le Goff, vice-campeão mundial de natação que deu declarações homofóbicas e foi punido de uma maneira inusitada.

Já no fim de sua carreira, o atleta foi condenado a treinar os "Camarões com lantejoulas", tradução do nome do filme e nome da equipe de polo aquático. O objetivo? Prepará-los para os Jogos Gays, na Croácia, a maior competição esportiva entre homossexuais do mundo.

Entre diversos outros personagens, o jornal francês chama a atenção para ocorrências no Brasil. O jogador brasileiro Michel dos Santos tem sua história contada. Para quem não se recorda, o atleta foi ofendido por sua orientação sexual durante a semifinal da Superliga de 2011, em um ginásio lotado.

A publicação destaca ainda que 420 mortes por homofobia foram cometidas no Brasil em 2018. O País é considerado o lugar que mais mata a população LGBT. "No Brasil, atletas homossexuais estão sofrendo cada vez mais", destaca o título de uma das matérias que relaciona o tema ao presidente Jair Bolsonaro. 

"O Brasil autoriza o casamento gay, organiza a Parada Gay São Paulo e transformou o Rio de Janeiro em 'o destino mais gay-friendly do mundo', escrevem os guias de viagem. Mas por trás dessa ilusão em forma de arco-íris se escondem grandes nuvens negras", escrevem. 

Outro caso que ganha destaque é de Gareth Thomas, ex-capitão da seleção de rúgbi do País de Gales que também assumiu sua homossexualidade e foi atacado em novembro do ano passado por um jovem de 16 anos, que admite ter sido o agressor.

MAIS SOBRE:

esportehomofobiahomossexualidade
Comentários