Após fala homofóbica, Werdum fará trabalho com comunidade LGBT

Lutador brasileiro chamou Tony Ferguson de 'maricon' durante uma dicussão em um evento para promover o UFC 216

A discussão entre o brasileiro Fabrício Werdum e o norte-americano Tony Ferguson ainda rende polêmica. Durante um evento para promover o UFC 216, os lutadores quase iniciaram uma confusão generalizada. No meio do bate-boca o gaúcho chamou o rival de 'maricon', termo considerado homofóbico na comunidade LGBT. O UFC não gostou da repercussão negativa e repreendeu o peso pesado.

Apesar de Werdum ter se desculpado pela declaração, a organização emitiu um comunicado oficial e exigiu que o brasileiro preste serviços junto a comunidade LGBT para diminuir o impacto de suas palavras.

O próprio lutador esclareceu o contexto de seus xingamentos a Ferguson dizendo que 'não foi homofóbico'.

Através de suas redes sociais, o ex-campeão dos pesados do UFC, que já morou na Espanha e é fluente em português e espanhol, além do inglês, disse que a conotação das palavras proferidas em nas duas primeiras línguas é diferente da língua inglesa. "Maricón é uma palavra comum na cultura espanhola e eu não quis ofender ninguém da comunidade LGBT. Se eu o fiz, peço desculpas", escreveu Werdum, que também xingou Ferguson de "v..." e "c.. de cachorro".

Confira abaixo o comunicado oficial do UFC sobre a declaração de Fabrício Werdum:

"O UFC está desapontado com os comentários recentes feitos por Fabricio Werdum em um evento promocional em Los Angeles. A natureza e implicações desses comentários não refletem a visão do UFC e não serão toleradas, não importando a maneira com que elas são usadas. Nós tomamos conhecimento e apreciamos o fato de Fabricio ter pedido desculpas à organização e a qualquer pessoa que ele possa ter ofendido com suas palavras. Como atletas de alto nível, modelos e embaixadores globais do esporte das artes marciais mistas, atletas em contrato com o UFC devem cooperar com o Código de Conduta dos Atletas. Por conta da violação dessa política, Fabricio concordou em desenvolver trabalho comunitário junto à comunidade LGBT em Las Vegas, tomando medidas diretas para proporcionar mudanças e causar um impacto direto na comunidade".

MAIS SOBRE:

lutasUFC [Ultimate Fighting Championship]Homofobia
Comentários