Fabricio Werdum esclarece xingamentos a Ferguson: ‘Não fui homofóbico’

Brasileiro disse que norte-americano era 'v...' em português e espanhol, mas declarou que xingamentos são 'comuns'

Relacionadas

Durante a confusão com Tony Ferguson na última quinta-feira, 28, Fabricio Werdum xingou o peso-leve várias vezes, inclusive com palavras de baixo calão em espanhol e português. Presentes à coletiva de promoção para o UFC 216, jornalistas norte-americanos chamaram a atenção para algumas das ofensas proferidas pelo brasileiro, que poderiam ser consideradas homofóbicas. Brasileiro se defendeu das acusações.

Através de suas redes sociais, o ex-campeão dos pesados do UFC, que já morou na Espanha e é fluente em português e espanhol, além do inglês, disse que a conotação das palavras proferidas em nas duas primeiras línguas é diferente da língua inglesa.

"Maricón é uma palavra comum na cultura espanhola e eu não quis ofender ninguém da comunidade LGBT. Se eu o fiz, peço desculpas", escreveu Werdum, que também xingou Ferguson de "v..." e "c.. de cachorro".

Apesar de representar os Estados Unidos, Ferguson tem ascendência mexicana e discutiu com Werdum em espanhol. A briga começou quando o peso leve, que enfrenta Kevin Lee na luta principal do UFC 216, pediu para que "Vai Cavalo" não falasse por cima dele, enquanto os dois respondiam a perguntas da imprensa norte-americana. Werdum não gostou do tom de voz de "El Cucuy" e começou a xingá-lo. Em espanhol, Ferguson mandou o brasileiro "calar a boca" e a discussão quase virou luta.

MAIS SOBRE:

lutasEspanha [Europa]UFC [Ultimate Fighting Championship]Estados Unidos [América do Norte]Homofobiarede social
Comentários