Jon Jones é acusado de assédio, mas nega: ‘Não acredite em tudo o que lê’

Campeão meio-pesado enfrenta denúncia de garçonete de casa noturna em situação que supostamente ocorreu em abril de 2019

Relacionadas

O nome do campeão meio-pesado (até 93kg.) do UFC, Jon Jones, voltou a ser notícia fora do octógono. Desta vez, o lutador é acusado de assediar uma garçonete de uma boate para adultos em Albuquerque (EUA). O caso teria acontecido em abril deste ano, mas só teve repercussão aproximadamente três meses após o incidente. As informações foram divulgadas pela emissora ‘KRQE New 13’.

Segundo informações, no dia do suposto crime, Jones estava na boate e teria dado um tapa na garçonete e tentou forçá-la a sentar no seu colo, além de começar a beijá-la no pescoço. Após se recusar, o lutador teria tentado um enforcamento e depois insistiu em continuar a tocar a suposta vítima à força.

Após o caso, a garçonete, já em casa, teria ligado para a polícia e relatado o fato, registrando, assim, um boletim de ocorrência contra o lutador.

A ‘KRQE New 13’ divulgou, também, que Jones não compareceu à corte para prestar esclarecimento sobre o caso na data prevista. Desta forma, as autoridades responsáveis emitiram um mandado de prisão contra o campeão do UFC.

Em defesa, pessoas próximas a Jon afirmaram que o norte-americano não estava ciente das acusações e que não esteve no local indicado por desconhecimento da causa. O atleta, no entanto, posteriormente, compareceu à corte e pagou uma fiança de US$300 (aproximadamente R$1 mil) e foi liberado. Após a quitação, o mandado foi suspenso.

Representante de Jones, James Hallinan, ao ter conhecimento da divulgação das informações, lançou uma nota na tentativa de esclarecer a situação.

“Hoje, a mídia contou ao Sr. Jones sobre uma falsa acusação lançada contra ele e que a papelada tinha sido enviada para um endereço errado. No entanto, depois de receber os documentos da imprensa, o Sr. Jones imediatamente foi pagar a taxa. Ele e várias testemunhas estão prontos para esclarecer sobre as mentiras divulgadas ao público”.

Sobre as acusações, Jon Jones fez questão de responder a um fã em uma rede social que questionava a atitude do competidor do UFC. Após citar que o atleta se encontrava novamente em apuros, o lutador contestou a afirmação. “Eu não estou em apuros. Não acredite em tudo o que lê”, respondeu o lutador norte-americano.

 

I’m definitely not in any trouble my friend, don’t be so quick to believe everything you read on the Internet. https://t.co/d3GPuRDfpb  

— Jon Bones Jones (@JonnyBones) July 22, 2019

Reincidente

Esta não é a primeira vez que Jones figura nas páginas policiais na cidade de Albuquerque. Em 2015, o atleta fugiu do local de um acidente após se envolver em uma batida de automóvel com uma mulher grávida. Pelo ocorrido, foi condenado a um ano e seis meses em liberdade condicional, além de ser destituído do posto de campeão dos meio-pesados.

Em 2016, Jon foi acusado de participar de corridas clandestinas de automóveis.  Segundo informações, o veículo de Jones apresentava modificações que sugeriam a atividade. Ao ser abordado por um policial de Albuquerque, o norte-americano teria ofendido a autoridade, chamando-o de ‘mentiroso’ e ‘porco’. O campeão, na ocasião, foi detido e condenado a 60h de serviços comunitários.

MAIS SOBRE:

MMA [artes marciais mistas]UFC [Ultimate Fighting Championship]Jon Jonescrime sexual [Assédio Ato libidinoso Corrupção de menor Estupro]
Comentários