Polícia prende suspeitos de matar Adriano Mamute, lutador de MMA

Lutador foi morto nesta terça-feira dentro de sua residência no distrito de Outeiro, em Belém (PA)

Relacionadas

A polícia prendeu dois suspeitos pelo assassinato do lutador de MMA Adriano Sylberth Santana Pereira, conhecido como Adriano "Mamute", de 29 anos, morto dentro de sua residência no distrito de Outeiro, em Belém (PA). Ele estava ao lado da mulher e do filho no momento do crime, que está sendo investigado pela Divisão de Homicídios.

+ Lutador de MMA é assassinado na frente da esposa e do filho em Belém

+ Dana White não considerou McGregor para o lugar de Ferguson no UFC 223

+  Ferguson sofre lesão bizarra e Holloway sobe de peso para encarar Nurmagomedov

Em nota oficial, a Polícia Civil afirmou que Erick de Souza Silva, 22 anos, e Gabriel da Silva e Silva, 21, foram presos por policiais militares e apresentados na Delegacia de Homicídios do distrito de Icoaraci, em Belém, nesta tarde. 

Ao delegado Carlos Ivan Pinheiro, titular da Delegacia, os suspeitos negaram terem assassinado a vítima, mas confirmaram a presença no local do crime e confirmaram o total de quatro envolvidos na morte do lutador, sem esclarecer a motivação do homicídio.

A polícia também apreendeu um revólver calibre 38 e um total de 35 petecas de maconha do tipo limãozinho, uma droga produzida em laboratório para ter efeito entorpecente superior ao da maconha comum. A armam que pertence ao preso Erick, ainda vai passar por uma perícia. "A gente não descarta que a arma pode ter sido usada na morte do lutador", explica a Polícia Civil.

 

O CRIME

Por volta de 23h30, Adriano escutou baterem na porta dos fundos da casa. Ao abrir, o lutador se deparou com três homens armados que utilizavam camisas para esconder os rostos.

A vítima ainda correu para o quarto, onde estavam a companheira e o filho dele. Ao chegarem ao cômodo da casa, os criminosos atiraram e atingiram o rosto de Adriano. Posteriormente, ainda deram facadas no peito do lutador, que morreu no local. Os homens haviam pedido os aparelhos celulares do casal antes da execução.

De acordo com a Polícia Civil, além de atleta de MMA, Adriano era eletricista naval e tinha emprego fixo. Ele não estava sendo perseguido ou ameaçado.

 

MAIS SOBRE:

LutasPará [estado]MMA [artes marciais mistas]
Comentários