Prestigiada, Amanda Nunes recebe três prêmios no ‘Oscar do MMA’

Brasileira faz bonito em cerimônia que homenageia atletas das artes marciais mistas e vence em todas as categorias em que concorreu

Relacionadas

A campeã peso galo (61,2kg.) e peso (35,7kg.) palha do UFC, Amanda Nunes, foi o grande nome da 11ª edição do Oscar do MMA, que premiou atletas e profissionais da área das artes marciais mistas por suas performances referentes ao ano de 2018. Após concorrer em três categorias (lutadora do ano, nocaute do ano, surpresa do ano), a baiana levou todas as estatuetas para casa, sendo a maior vencedora da noite. A cerimônia ocorreu nesta quarta-feira (3).

Amanda Nunes vive um momento especial na carreira. Vinda de oito vitórias seguidas, a atleta tem conquistado todo o reconhecimento por suas conquistas no MMA feminino. Aos poucos, a brasileira vem traçando seu caminho para se tornar a maior atleta da história entre as lutadoras mulheres.

Em seu último compromisso, a baiana conseguiu uma grande vitória sobre a compatriota Cris Cyborg, contrariando as expectativas e, de quebra, conquistando o título das palhas e ostentando seu segundo cinturão dentro da organização; algo, até então, inédito na modalidade feminina. A cada vez que foi anunciada vencedora de alguma categoria, a brasileira era muito ovacionada pelo público que prestigiava o evento.

Outros dois brasileiros foram lembrados na cerimônia. Jhenny Andrade foi eleita pela terceira vez consecutiva a ‘Ring Girl’ do ano, prêmio que já havia conquistado em 2016 e 2017.

Wanderlei Silva, um dos nomes mais conhecidos da história do MMA, também foi homenageado no evento. A organização decidiu premiar o curitibano por todos os seus feitos dentro do esporte. O atleta, no início da década de 2000, já foi considerado um dos atletas mais temidos dentro do esporte, quando era o grande nome do extinto Pride, no Japão.

O brasileiro, durante toda a sua carreira, enfrentou grandes nomes das artes marciais mistas, entre elas: Chuck Liddel, Dan Henderson, Rich Franklin, Chael Sonnen, Mark Hunt, Ricardo Arona e Vitor Belfort. No entanto, seus duelos mais lembrados são os encontros com Quinton Jackson, que deram ao público momentos de pura agressividade e entretenimento.

Aos 42 anos, Wand ainda não confirmou sua retirada do esporte. O lutador realizou seu último compromisso em setembro do ano passado, quando cumpriu sua quarta luta contra ‘Rampage’, pelo Bellator. Na ocasião, Silva, longe da sua melhor forma física, foi nocauteado pelo rival no segundo round.

Amanda, por sua vez, tem compromisso marcado para este sábado (6), contra Holly Holm. A atleta realiza sua quarta defesa de título desde que conquistou o cinturão das galos sobre Miesha Tate, em 2016. As atletas travarão a luta co-principal do UFC 239, em Las Vegas (EUA).

Lista dos vencedores

Lutador do ano: Daniel Cormier

Lutadora do ano: Amanda Nunes

Revelação do ano: Israel Adesanya

Lutador internacional do ano: Aung La Nsang

Luta do ano: Tony Ferguson x Anthony Pettis (UFC 229)

Nocaute do ano: Amanda Nunes x Cris Cyborg (UFC 232)

Finalização do ano: Zabit Magomedsharipov x Brandon Davis (UFC 228)

Reviravolta do ano: Angela Lee

Surpresa do ano: Amanda Nunes x Cris Cyborg (UFC 232)

Treinador do ano: Mike Brown

Academia do ano: ATT

Árbitro do ano: Herb Dean

Ring girl do ano: Jhenny Andrade

Executivo do ano: Dana White

Melhor evento: UFC

Comentarista do ano: Daniel Cormier

Veículo de imprensa do ano: MMA Fighting

Jornalista do ano: Ariel Helwani

MAIS SOBRE:

MMA [artes marciais mistas]UFC [Ultimate Fighting Championship]Amanda NunesDaniel CormierWanderlei Silva
Comentários