Treinador de rival brasileiro no UFC exibe tatuagem neonazista, mas nega relação

'Para você, ela tem um significado, para mim, como eslavo, outro', disse Aleksey Kiser

Relacionadas

O lutador de MMA Aleksey Kiser, treinador de Roman Bogatov, que participou do UFC 251, em Abu Dhabi, contra o brasileiro Léo Santos, possui uma tatuagem no cotovelo esquerdo que seria um símbolo neonazista.

O fato, a princípio, foi repercutido pelo jornal britânico Daily Star, mas somente ganhou evidência após uma reportagem do site americano “BloodyElbow”. Segundo afirma o veículo, a tatuagem de Kiser é símbolo utilizado por grupos de extrema direita chamado de “Sol Negro”.

De acordo com a “Southern Poverty Law Center”, organização americana que defende os direitos civis, o símbolo é oriundo de tribos nórdicas, mas foi adaptado por Himmler, um dos principais arquitetos do Holocausto.

Conforme aponta o veículo, o "Sol Negro" presente no cotovelo de Kiser é o mesmo criado por Himmler e utilizado por outros grupos neonazistas. Contudo, o lutador nega a relação. Segundo ele, a tatuagem faz referência a um símbolo pagão eslavo.

“Para você, ela tem um significado, para mim, como eslavo, outro. Nem uma única pessoa de cor foi prejudicada por mim. Não tenho nada a ver com isso. Vocês exageraram e procuraram um grão de discórdia onde não há nada”, disse Kiser. 

MAIS SOBRE:

MMA [artes marciais mistas]UFC [Ultimate Fighting Championship]nazismo
Comentários