Vindo de três derrotas em quatro lutas, Bethe Pibull nega má fase no UFC

Ex-desafiante ao cinturão peso galo feminino, brasileira está treinando em Curitiba na CM System

 Bethe (foto) nega má fase no UFC (FOTO: Laerte Viana/Super Lutas)

Relacionadas

Bethe Pitbull não vive sua melhor fase no UFC. Após perder sua invencibilidade em agosto de 2015, quando disputou o cinturão contra Ronda Rousey, a brasileira nunca mais conseguiu repetir o desempenho que a consagrou no octógono. Após o primeiro revés, foram quatro lutas e apenas uma vitória. Bethe, no entanto, nega estar em má fase, e garante que suas derrotas foram para rivais de alto nível e serviram para seu aprendizado. + Mackenzie Dern revela motivação redobrada para luta no UFC Rio

+ Lutadora do UFC revela ter sofrido estupro coletivo na adolescência + Georges St. Pierre recusa desafio de Khabib: ‘Ele tem assuntos inacabados’​

"Eu não avalio a minha fase como negativa, não penso dessa forma. Se você ver, tenho três derrotas e para três grandes atletas, ex-campeãs, pessoas que não serão apenas lutadoras mas mitos na organização. Elas venceram mas, quem sabe, o resultado seria diferente em uma revanche. Sei que ainda posso evoluir muito, sou uma das pioneiras no UFC. Uma das brasileiras que tem mais lutas. Acho que ainda posso mostrar muita coisa. Não vejo meu momento como ruim. Ganhei, perdi, empatei e fiz lutas principais. Nós temos é que representar. Tudo isso que passou de aprendizado, agora preciso focar para a próxima luta e recuperar o tempo que fiquei inativa por conta das lesões", afirmou Bethe, em entrevista à Ag Fight.

Bethe, que se recuperou de duas cirurgias no olho, já voltou aos treinamentos. A paraibana já projeta, inclusive, seu retorno ao octógono no segundo semestre deste ano.

"Eu penso em voltar em julho. Eu estou voltando aos treinamentos agora e acho que estão montando o calendário desse período. Dá tempo para eu voltar a ter ritmo  e me encaixar bem. Estou com muita vontade de voltar a lutar. Meus fãs estão me cobrando muito", completou.

Por: Carlos Henrique Monteiro Barbosa dos Santos

MAIS SOBRE:

FutebolUFC [Ultimate Fighting Championship]
Comentários