Atleta brasileiro após a Olimpíada: 'Não me chamam mais de bicha'

Caio Bonfim ouvia ofensas na rua quando treinava para a marcha atlética

Relacionadas

Atleta da marcha olímpica, Caio Bonfim não ouve mais ofensas homofóbicas ao treinar na rua após ter ficado em quinto lugar na prova de 20 quilômetros na Olimpíada do Rio. Agora, ele consegue marchar pelas ruas das cidades de Sobradinho e Brasília tranquilamente - inclusive, chega a dar autógrafos. 

"Depois da Olimpíada mudou bastante, pelo menos aqui em Brasília. Antes eu ouvia muita chacota e insultos. Agora não me chamam mais de bicha. Pelo contrário. As pessoas apoiam, me param e pedem foto e autógrafo. Mudou muito", disse o atleta ao UOL Esporte. "Até brinco que agora o som da buzina é diferente. Antigamente, buzinavam para fazer chacota", acrescentou. 

"Esta mudança é muito positiva e espero que depois desta Olimpíada mais gente venha para a marcha. Já tenho percebido isso aqui em Sobradinho. Agora vamos fazer nascer novos atletas, novos cidadãos", afirmou o atleta.

Em 2015, Caio havia concedido uma entrevista, também ao UOL Esporte, na qual relatava as ofensas que ouvia todos os dias em seus treinos. "Viado", "bicha" e "para de rebolar" eram xingamentos comuns, motivados pelo rebolado que ele (e quase todos os atletas da marcha atlética) - fazia, para manter um dos pés em contato com o solo (uma exigência da modalidade) e adquirir velocidade. 

"Não existe um dia que eu saia para treinar nas ruas e não ouça pelo menos uma gracinha", afirmou, à época, ao site.

Inclusive ele relatou um episódio que ocorreu anos atrás, em uma prova no Célio Barros, antigo estádio de atletismo do Maracanã. "Estávamos fazendo a marcha na pista de atletismo e a torcida do Fluminense estava na fila para comprar ingresso para um jogo da Libertadores. Toda vez que passávamos perto da fila, vinha uma chuva de palavrão. A fila ia andando e quando nós completávamos outra volta na pista, eram outras pessoas naquele ponto, que também xingavam de tudo", disse, em 2015.

Caio se casou em novembro do ano passado com Juliana, namorada com quem mantinha um relacionamento há mais de cinco anos.

As informações são do UOL Esporte.

MAIS SOBRE:

RadicaisMarcha atléticaCaio BonfimOlimpíada
Comentários